30 de junho de 2009

Ensino Religioso Katilene/Mara

A professora Mara desenvolveu atividades em parceria co as professoras Fátima e Anelita,

Aula multimídia na biblioteca: Katilene - Relatos de Ensino Religioso
COCORICÓ
CONVIVÊNCIA RESPEITO E ESTIMULO A DIVERSIDADE


DESCRIÇÃO:

Série vencedora de prêmios internacionais: melhor programa infantil do 1º festival Prix Jeunesse Ibero-Americano e Prêmio Unesco de melhor Vídeo da América Latina e Caribe.



Com esse verso e muitas outras brincadeiras, Júlio e seus amigos descobrem que as pessoas não são iguais umas às outras.
LITERATURA INDICADA
"Nem todas as Girafas são iguais"
Descrição Rápida
trata da história de uma girafa que não tinha a mesma altura que as outras, mas mesmo assim, tinha o sonho de ser uma jogadora de basquete. Será que ela vai arrumar uma forma de participar do tão esperado campeonato da escola ?
Descrição do Produto. Autor: Márcia Honora

Editora: Ciranda Cultural

Categoria: Pedagógicos

Esse é o primeiro passo para a divertida turma do Cocoricó aprender a conviver melhor entre si, e fazer novos amigos e entender que as diferenças devem ser respeitadas e, ate mesmo, valorizadas!

Nesta premiada série da TV Cultura, a linguagem simples e animada atrai a atenção das crianças enquanto discute conceitos importantes para o desenvolvimento infantil.
Iguais nas diferenças
Festa Surpresa
É meu, é seu, é nosso!
O valor que as coisas tem
Dividir é somar
EXTRAS 2 CLIPES MUSICAIS: CADA UM É O QUE É, É MEU, É SEU É NOSSO!
DURAÇÃO: 60 MINUTOS

Descrição

- Iguais nas diferenças
- Festa Surpresa
- É Meu, é seu, é nosso!
- O valor que as coiss têm
- Dividir é somar!

Extras: 2 Clipes musicais
- Cada um é o que é
- É Meu, é seu, é nosso!

Duração: 60min
Categoria Livre

O jornal O Estado de S. Paulo comunica:
Ao enviar cartas ao jornal O Estado de S. Paulo, a correspondência sem identificação completa - nome, sobrenome, endereço, telefone e RG - será desconsiderada, de acordo com a legislação vigente.
As cartas podem ser resumidas e o Estado se reserva o direito de selecioná-las. Cartas selecionadas e não publicadas no jornal impresso por falta de espaço serão publicadas no Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br
Dado o crescente volume de mensagens, o Fórum dos Leitores não tem como informar sobre a publicação das cartas.
Gratos pela atenção.
Tenha as últimas notícias do Estadão direto no seu computador em 1 clique. Acesse: www.estadao.com.br/widget

OlÁ pessoal!

Trabalho na Biblioteca da EBM Francisco Lanser. Estou em duvida quanto a um livro que recebi do FNDE
DEUS Segundo Laerte. Gostaria de saber a opinião de outros profissionais, quanto a possibilidade do livro circular entre os alunos.

por favor, enviem respostas para
biblioteca.princesaisabel@yahoo.com.br ou postem comentários

Abraços Jeane Angelita

Cliquem no link visual Prêmio Top 10 e votem...

29 de junho de 2009

POR UMA EDUCAÇÃO COM SIGNIFICADOS

Ao longo da vida, temos oportunidade para identificar talentos e valores que se encontram na sociedade, mas que dependem de incentivo para que ousem brilhar nos lugares devidos, como é o caso das escolas. nem sempre os meios de comunicação têm como foco principal a educação, fator essencial para que a população realmente receba a mediação e o apoio de que tanto necessita.A escola não representa o único espaço de construção do conhecimento, assim como o ambiente familiar não é o responsável único e exclusivo mediador da educação dos indivíduos, mas, que é a união dos dois órgãos competentes que permitem um processo de desenvolvimento das habilidades comportamentais e que são influenciadas pelo meio em que os mesmos estão inseridos.Constata-se então, que todos estão envolvidos num mesmo propósito - o de encaminhar gerações futuras ao pensamento e atitude coerentes aos princípios norteadores de uma sociedade entusiasta, empreendedora, atenta às mudanças, que aceita as diferenças e que as identifica como fator de referência aos valores de cada indivíduo.Uma sociedade inquieta, porém habilidosa, que gera indivíduos críticos, competentes e conscientes de seus direitos e deveres.Como já ouvimos e sabemos, não somos os mesmos durante o dia, e nem seremos os mesmos durante a vida, é preciso quebrar a resistência, livrar-se das amarras, e reconstruir o saber.Cabe aos educadores, (família, escola e sociedade) a função de facilitar este processo mutável, que só acontece quando se atribui um significado ao que se vê, se ouve ou se diz, em suma, se vive.

23 de junho de 2009

PROJETO "MINHA RUA TEM HISTORIA PRA CONTAR"


PREFEITURA MUNICIPAL DE BLUMENAU

Livro lançado em Novembro de 2008,aborda o Rio Itajaí-Açu,que corta diversas cidades do estado de Santa Catarina.Registro da nascente até a foz,em uma área de 15.000 kilometros quadrados. Texto da escritora blumeauense Christina Baumgarten e fotos de Nele constam poemas, sendo que um deles é de minha autoria. Publicação da HB Editora,
Caro visitante do nosso blog, caso for do seu alcance, pedimos a doação do livro acima - SUA MAJESTADE, O ITAJAI-AÇU, para nossa biblioteca,(por exemplo,possui-lo mas não precisar mais dele/conhecer alguém que quer doá-lo) pedimos com carinho, ... pois o mesmo não está sendo vendido. Ele é um dos livros importantes para fundamentar nossa pesquisa. Se for possível, outros livros que possuem cunho histórico sobre nossa cidade, poderão ser doados ou emprestados, até. Aceitamos referências bibliográficas ou dicas de sites para consultas sobre nosso assunto em questão.Agradecemos!

ATENÇÃO!

Se sua instituição estiver interessada em desenvolvimento de projetos/
palestras e oficinas sobre
*Literatura Infanto Juvenil
*Brincando com a poesia
*Baú de memórias
*Fotografia
*Entrevista com autor

Podem entrar em contato (Fátima) pelo telefone (47) 84375004, ou pelo email:
biblioteca.princesaisabel@yahoo.com.br

NOVIDADES!

Com o apoio da Direção e das coordenadoras, as professoras Fátima e Kelly, iniciaram o projeto intitulado,
"MINHA RUA TEM HISTÓRIA PRA CONTAR".

O mesmo surgiu após um diálogo entre elas, na biblioteca, durante os momentos de leitura com os alunos da 7ª série.

Ingelore e Marli Coordenadoras

Fonte: BAIRRO RIBEIRÃO FRESCO
O presente trabalho se destina a dar uma noção da história do bairro Ribeirão Fresco, desde às origens da Colônia Dr. Blumenau.

Fonte: www.blumenau.sc.gov.br/.../bairros/ribeirao_fresco.htm

BAIRRO RIBEIRÃO FRESCO
1 ASPECTOS HISTÓRICOS

O presente trabalho se destina a dar uma noção da história do bairro Ribeirão Fresco, desde às origens da Colônia Dr. Blumenau. Os principais fatos são relatados em forma quase cronológica, onde aparece uma grande quantidade de datas, para que o leitor possa se situar e perceber a importância econômica e social da Colônia e sua evolução nesses 146 anos da fundação.
Apesar dos inúmeros contratempos e dificuldades, as anotações, aqui constantes, foram pesquisadas em diversas obras, documentos, revistas e jornais do Arquivo Histórico, entrevistas em campo e por fim observações realizadas nestes últimos 35 anos.
O bairro foi oficializado pelo prefeito Frederico Guiherme Busch Júnior através da Lei no 717, de 28 de abril de 1956. No mapa da Colônia de Blumenau de 1864 já constava o nome do ribeirão fresco, bem como o traçado do caminho principal que conduzia ao Kühler Grund - Solo Fresco, denominação usada pelos primeiros imigrantes.
É um vale estreito com uma planície de 200 a 300 metros de largura, com muitos mananciais o que ameniza a temperatura nos verões quentes.
O bairro estava dividido em região do Vale, área baixa e sujeita a enchentes com 10 metros e a região Urbana, fazendo parte do ex-Stadtplatz.
Na margem direita do ribeirão constavam 4 lotes coloniais e 8 na margem esquerda.
O imigrante Dittrich implantou no fundo do vale o primeiro matadouro da região com equipamentos que trouxe da Alemanha.
A rua principal era denominada Pastor Oswaldo Hesse, que mudou seu nome para rua Mato Grosso com a lei da nacionalização, sendo que em 20 de janeiro de 1953, retorna seu nome para Pastor Oswaldo Hesse.
A pedra fundamental da Igreja Evangélica de Confissão Luterana - Paróquia Blumenau Centro, foi lançada em 23 de outubro de 1868, pelo Pastor Oswaldo Hesse, sendo o arquiteto Henrique Krohberger. Nos fundos da igreja está o cemitério onde repousa os restos mortais de Fritz Müller.

O Pastor Oswaldo Hesse foi contratado pela Comunidade Evangélica, em 1857, sendo ainda, professor de uma escola particular, que foi construída próxima a igreja. Nesta escola foi construída uma dependência que servia-lhe de moradia.
No mês de setembro de 1915 foi fundado o Hospital Santa Catarina de propriedade do Sínodo Evangélico de Santa Catarina e Paraná, sendo inaugurado em junho de 1920. Outras ampliações foram realizadas e tem recebido nos últimos tempos os mais modernos equipamentos, permitindo a realização de cirurgias de cateterismo, angioplastia e cirurgias cardíacas.
No morro da Garuva, onde está a nascente do Ribeirão Fresco, foi aberta uma estrada que dá acesso ao município de Gaspar, pela localidade de Gasparinho.
No dia 19 de julho de 1919, foi fundado o Clube Brasil de Futebol, onde com a advento da nacionalização para Sociedade Esportiva Palmeiras. O clube, em 1946, possuia seu próprio campo e no ano seguinte este campo recebeu o nome de Aderbal Ramos da Silva.

A ponte 25 de Julho, inaugurada em 25 de julho de 1937, passou a ligar a alameda Duque de Caxias a rua Amazonas sobre o ribeirão Fresco. Sua largura foi duplicada.
Em 1996, iniciou-se a implantação de uma segunda pista (alameda/amazonas), estando em nível bem mais elevado, servindo com um dique de contenção, visando conter o alagamento que ocorre de forma rápida nas partes mais baixas do bairro, com as águas represadas entre o ribeirão Garcia e rio Itajaí-Açú.
A Sociedade dos Atiradores de Blumenau, no ano de 1938, passa a ser denominada de Tabajaras Tênis Clube, estando situado na rua Alvin Schrader.
A Praça Marechal João Batista Mascarenhas de Moraes foi inaugurada em 15 de novembro de 1973.
Existe uma relação dos pracinhas mortos na Guerra de 1945, bem como a dos pracinhas que retornaram e que pertenciam ao 23o Batalhão de Infantaria.

2 ASPECTOS FÍSICOS E HUMANOS

Localização: Margem direita do rio Itajaí-Açú, na porção Sudeste, próximo a área central do município de Blumenau
Limites: Norte: bairro Vorstad.
Sul: bairro Garcia
Leste: Zona Rural de Blumenau e município de Gaspar
Oeste: bairros Jardim Blumenau e Centro.
Superfície: 2,0 km2 (dois quilômetros quadrados)
Vegetação: Vegetação exuberante. As encostas neste pequeno vale tem bastante declividade, formando um vale estreito coberto por densa floresta até quase no alto. Duas áreas localizadas no fundo deste bairro caracterizam, para o futuro, a preservação da vegetação autóctone, sendo o Camping Municipal e a área do Grupo de Escoteiros Leões.
Hidrografia: Formada pelos ribeirões Fresco e o Araranguá.
Relevo: O bairro se localiza nas Planícies Centrais, na região denominada “Bacia do Itajaí-Açú”. Vale estreito, cujo principal acidente geográfico é o morro da Garuva, com altitude de 210m (duzentos e dez metros).
Enchente: Das 42 ruas existentes, 26 foram atingidas, ou seja, 61,9% (sessenta e um vírgula nove por cento) das ruas.
População: 2.511 habitantes em 1980 e 11.767 habitantes em 1991 e 1.961, apresentando uma taxa de crescimento vegetativo negativo de -2.2% (menos dois ponto dois por cento) ao ano na última década.
Residências: 618 residências em 1980 e 532 em 1991.
Ruas/Avenidas/Alamedas
São 42 ruas, sendo 23 de terra, 03 de paralelepípedos, 07 de lajotas sextavadas, 02 de asfalto e 07 apresentam mais de um tipo de pavimentação. São consideradas como ruas principais, os Corredores de Serviço que são classificadas, hierarquicamente, segundo o Plano Diretor Municipal de Blumenau, como Arteriais, as seguintes ruas: Pastor Osvaldo Hesse, Coletora; e parte da rua Alvin Schrader, Arterial.
A rua Pastor Osvaldo Hesse foi criada através da Lei no 445, de 02 de junho de 1953; e a rua Alvin Schrader, através da Lei no 65, de 06 de setembro de 1945.

3 ASPECTOS SÓCIO-ECONÔMICOS
3.1 Caracterização Econômica

O bairro apresenta características predominantemente residencial, com tendências ao incremento das atividades econômicas .A principal aglomeração de atividades econômicas é a Terciária (comércio e serviços), que ocorre, neste bairro, ao longo das principais ruas.
A população residente do bairro Ribeirão Fresco, no período 80/91, vide Tabela I, apresentou decréscimo de -21,9% (menos vinte e um vírgula nove por cento), ou seja, existiam 2.511 habitantes em 1980, passando para 1.961 em 1991. O número de domicílios, no mesmo período, vide Tabela I, apresentou uma redução de -13,92% (menos treze vírgula noventa e dois por cento), ou seja, existiam 618 domicílios em 1980, passando a 532 em 1991.
No bairro Ribeirão Fresco encontra-se um dos pontos mais baixos da área central da cidade. Tal situação tende a mudar após a construção do dique que impedirá o retorno das águas represadas pelo rio Itajaí-Açú que provocam o alagamento deste ponto do bairro.
O fato de o bairro possuir pontos alagadiços, possivelmente, foi uma das causas que levaram a provocar a redução da população residente e o número de domicílios, no período 80/91.
Esta característica, provavelmente, permitiu que os imóveis fossem usados para fins comerciais, iniciando uma nova conduta de crescimento das atividades econômicas no bairro. A Tabela I, a seguir, mostra o somatório das atividades econômicas e da população residente no bairro, do ano 1980 e 1991:

3.1.1 Tabela I - Somatório das Atividades Econômicas, População e Residências, no Período de 1980 a 1991, do bairro Ribeirão Fresco.
Ano
Atividades
População

Indústria
Comercio
Prest. Serv
Autônomos
Masculino
Feminino
Domicílios
1980
11
20
42
156
1.169
1.342
618
1991
17
48
72
138
956
1.005
532

3.1.2 Atividades Industriais

As atividades industriais, no período 80/94, vide Tabela I, cresceram na ordem de 54,55% (cinqüenta e quatro vírgula cinqüenta e cinco por cento), ou seja, partiram de 11 estabelecimentos industriais em 1980, passando para 17 em 1991, nos setores do vestuário, bebidas, esquadrias, artefatos de cimento, etc., sendo grande parte estabelecimentos de pequeno porte, podendo ser citadas as seguintes:

Tipo Vestuário
Nome Facsan Têxtil Ltda ME
Endereço Rua 7 de Setembro, 55

Vestuário
Griffe Crista Com Malhas
Rua Eugen Germer, 26
Vestuário
Olga Taufenbach da Luz ME
Rua João Manoel da Luz, 438
Bebidas
Solar de Blumenau Destilaria Ltda
Rua Pastor Osvaldo Hesse, 1.201
Vestuário
Zuunp Malhas Ltda ME
Rua Araranguá, 231
Esquadrias
Ind. Com Molduras Modular Ltda
Rua Pastor Osvaldo Hesse, 789
Vestuário
Novatex Têxtil Ltda
Rua Reinaldo Manske, 65
Art. Cimento
Ind. Com Artefatos de Cimento
Rua Boa Esperança, 111
3.1.3 Atividades Comerciais

As atividades comerciais, no período 80/91, vide Tabela I, cresceram na ordem de 140% (cento e quarenta por cento), ou seja, o bairro possuía 20 estabelecimentos comerciais em 1980, passando para 48 em 1991, no comércio de alimentos, bebidas, material de construção, vestuário, componentes industriais, material hospitalar/farmacêutico/odontológico, etc., podendo ser citado os seguintes:

Tipo Alim/Bebida
Nome Albertina Rosa
Endereço Rua 7 de Setembro, 67

Alimentos
Antônia Maria Pereira
Rua Araranguá, 254

Alimentos
Antônio Carlos Adriano
Rua Pastor Osvaldo Hesse, 605

Alim/Bebida
Bar Lanch Ivo Ltda
Rua Amazonas, 450

Alim/Bebida
Bar e Mercearia Sandra Ltda
Rua Araranguá, 815

Mat. Constr.
Base Proj Constr. Civil Repres Ltda
Rua Pastor O. Hesse, 1.321

Alimentos
Carlito Martins
Rua Pastor Osvaldo Hesse, 1.383

Vestuário
Carlos Alberto Marcos
Rua 7 de Setembro, 45

Alimentos
Com Frutas Zuchi Ltda
Rua 7 de Setembro, 97

Alimentos
Com Repres Pastor Ltda
Rua Pastor Osvaldo Hesse, 961

Alimentos
Cora Pereira Géiser - Lanch
Rua Amazonas, 550

Comp. Indl
Corbras Com Repres Ltda
Rua Dos Candangos, 74

Mat. Hosp.
CR Pastor Com Repres Ltda
Rua Pastor Osvaldo Hesse, 1.331


3.1.4 Atividades Prestadoras de Serviços

As atividades prestadoras de serviços, no período 80/91, vide Tabela I, cresceram na ordem de 71,43%, ou seja, o bairro contava com 42 prestadores de serviços em 1980, atingindo a 72 em 1991, nos serviços de clínicas, laboratórios, hotelaria, transportes, construção civil, representação comercial, auto mecânica, assessoria comercial, publicidade, etc., podendo ser citadas as seguintes:

Tipo
Nome
Endereço
Clínicas
CELP - Centro Médico Luís Pasteur
Rua Prefeito Frederico Busch, 255
Laboratórios
Laboratório Hospital Santa Catarina
Rua Amazonas, 119
Transportes
Auto Viação Rainha
Rua Mâncio Costa, 71
Const Civil
ABL Com Serviços Ltda
Rua Eugen Germer, 86
Repres Coml
Alfa Com Repres Ltda
Rua Eugen Germer, 40
Repres Coml
Ataliba Egídio da Silva
Rua Alvin Schrader, 1.402
Auto mecânica
Auto Peças Serviços Pastor Ltda
Rua Pastor Osvaldo Hesse, 591
Asses Coml
C S V Asses Exp Imp Ltda
Rua 7 de Setembro, 644
Auto mecânica
Auto Mecânica Moderna Ltda
Rua Amazonas, 506
Repres Coml
Carlos Roberto Nones
Rua Alvin Schrader, 1.402
Publicidade
Cefam Promoções Públicas Ltda
Rua Pastor Osvaldo Hesse, 1.875
Hotelaria
Hotel Chatourni
Rua Max Wehmuth, 61

3.1.5 Atividades Autônomas

As atividades autônomas, no período 80/91, vide Tabela I, decresceram na ordem de -11,54% (menos onze vírgula cinqüenta e quatro por cento), ou seja, o bairro possuía 156 autônomos em 1980, passando para 138 em 1991. Estas atividades são exercidas por profissionais liberais de diversos setores da economia.


4 EQUIPAMENTOS URBANOS

Para que uma Unidade Administrativa da esfera Federal, Estadual ou Municipal possa executar suas atividades e manter o controle é necessário que estas possuam Instituições/Órgãos Públicos.

Devem localizar-se em pontos estratégicos, a fim de atender, primeiramente, as necessidades básicas da comunidade. Ao atender a comunidade deve inteirar-se das dificuldades, promovendo políticas de planejamento, controle e execução de obras e serviços públicos, como também regulamentar as atividades da iniciativa privada.

Após a criação das Leis, pelo Legislativo, surge a responsabilidade dos administradores destas Instituições/Órgãos Públicos a execução e controle de todas as atividades existentes, segundo sua área de abrangência. O bairro Ribeirão Fresco possui Instituições/Órgãos Públicos somente da esfera do governo municipal:


4.1 Órgãos Públicos

Nome Hospital Santa Catarina

Endereço Rua Amazonas, 301
Particular

Terminal Rod. Urbano Municipal
Rua Amazonas/Prefto Frederico Busch Jr

4.2 Instituições de Ensino

Nome EBM Pastor Faulhaber
Endereço Rua Pastor O. Hesse, 1.090
Municipal


Escola Adventista Castelo Forte
Rua Alvin Schrader
Particular

Esporte:
Tae-Ken-Dô - Academia
Rua Mâncio Costa
Particular

Pré
Creche Tia Keiko
Rua Maurici, 61

4.3 Entidade Religiosas
Nome Igreja O Brasil para Cristo
Endereço Rua Pastor Osvaldo Hesse, 394

Igreja Evang. Conf. Lut - Paróquia Bl Centro
Rua Amazonas, 119
Centro Espírita - Fé Cristo Caridade
Rua Rotary Clube, 138


4.4 Clubes/Associações

Clube dos Candangos - Rua Dos Candangos
Grupo Escoteiros Leões - Rua Pastor Osvaldo Hesse, 1.697

4.5 Camping Municipal
Camping Club do Brasil - Rua Pastor Osvaldo Hesse, 2.188


4.6 NÚCLEOS DE DEFESA CIVIL

- Igreja Evangélica de Confissão Luterana - Paróquia Blumenau Centro - Rua Amazonas, 119
- Grupo de Escoteiros Leões - Rua Pastor Oswaldo Hesse, 1.697
- Escola Reunida Municipal Pastor Faulhaber - Rua Pastor O. Hesse, 1.090

Cemitério: Cemitério Evangélico - Rua Amazonas, 119
Praça: Praça Marechal Mascarenhas - Rua Amazonas/7 de Setembro
Foco de Submoradia: Rua Benigno Joaquim dos Santos
Ancionato: Casa do Sossego - Rua Henrique Avé Lallemant, 341





19 de junho de 2009

DICAS DE LINKS INTERESSANTES


VAMOS ABRIR A JANELA DE NOSSA MENTE AO APRENDIZADO!
A BELEZA DA VIDA CONSISTE EM REINVENTÁ-LA A CADA DIA!

“Há aqueles que dizem que sabem e nada fazem.
Há aqueles que fazem sem saber.
Há aqueles que constroem o saber com aqueles que fazem”.
Como o indivíduo aprende?
Cada indivíduo tem seu ritmo para desenvolver-se, ao qual denominamos de tempo. Mas que tempo é esse? Se ignorarmos este tempo, qualificando-o como particularidade de cada indivíduo, sem intervir no processo de aprendizagem, comprometemos assim, todo o seu potencial criador. Cabe ao educador, entender e buscar formas de mediar o conhecimento e diversificando as atividades, de acordo com as dificuldades ou habilidades de cada aprendiz. Faz-se necessário o conhecimento de cada dificuldade encontrada. É neste momento que a mediação competente tem sua importância. Faz-se necessária uma intervenção diagnóstica por parte de especialistas, para detectar possíveis causas que estejam inviabilizando o processo de apropriação da aprendizagem como um todo. (M. de Fátima)
.......................................................
O site Leitura&Escrita é parte do Portal EduKBr
Boa leitura!

Acesse, você vai adorar!
Clique no mural da lista para conhcer muitos (a) autores (a). Uma delas sou eu, com o poema abaixo.
1. A Pipa de Gabriel
Colaborador: Maria de Fátima Hammes em 2004.

Um espaço para a divulgar a produção literária dos membros da Lista Leitura & Escrita!

Estes são os colaboradores deste mural:
Adair Carvalhais Junior, Adriana Portella, Alex Marq, Cyro de Mattos, José Maria Cardoso, Luiz Henrique, Marcelo Santoro, Maria de Fátima Hammes, Matheus Mafra, Ney MourãoPedro, César Alves, Rita Nasser e Welington Almeida Pinto. OK


http://www.caestamosnos.org/III_Encontro/Indice.html

Fundação Cultural de Blumenau
http://www.fcblu.com.br/

Fundação Catarinense de Cultura
http://www.sol.sc.gov.br/paginas/default.asp

Instituto Geográfico e Histórico de Santa Catarina
http://www.ihgsc.org.br/introflash.htm

Memorial do Imigrante
http://www.memorialdoimigrante.sp.gov.br/

Portal "Cá Estamos Nós"
http://www.caestamosnos.org/

Sociedade de Escritores de Blumenau
http://www.seblumenau.org/

3ª Feira do Livro de Jaraguá do Sul


De 9 a 19 de julho Jaraguá do Sul se transforma na capital catarinense da literatura e recebe autores de renome internacional, como Luis Fernando Verissimo e Fanny Abramovich, com uma programação recheada de novidades

A terceira edição da estelar Feira (que já nos primeiros anos trouxe Ana Maria Machado, Ricardo Azevedo, Pedro Bandeira, Marçal Aquino e Cristovão Tezza) acontece em Julho, e com uma nova proposta: se entrosar cada vez mais com o público infanto e juvenil. “Todas as ações da Feira são pensadas com resultados de longo prazo, queremos formar leitores, e não só isso, leitores de qualidade” afirma o diretor geral da Feira, o escritor e editor Carlos Henrique Schroeder.

“A Fundação Cultural de Jaraguá do Sul é a mantenedora da Feira este ano, pois tanto a prefeita, quanto o Presidente da Fundação, o Jorge, acreditam no grande poder transformador da leitura e da literatura”, acredita o coordenador geral da Fundação Cultural, Nelson Borchard.

A Feira é uma realização da Fundação Cultural de Jaraguá do Sul, com a promoção da Design Editora, Câmara Catarinense do Livro, RBS TV, Secretaria Municipal da Educação, SDR Jaraguá do Sul e SESC Santa Catarina. O autor homenageado deste ano é Monteiro Lobato e o patrono é o escritor Loreno Hagedorn. Além de grandes autores da literatura, a Maratona de Contos SESC e a Mostra de Cinema Brasileiro prometem chacoalhar a cidade.

A Feira acontece de 9 a 19 de julho, de Segunda a Sexta, das 10h às 21h, Sábado, das 10h às 19h, Domingo, das 13h às 19h.

A abertura oficial acontece no dia 9 de julho, 14h.

Grandes autores
Luis Fernando Verissimo
Conhecido por suas crônicas e textos de humor, publicados diariamente em vários jornais brasileiros, Verissimo é também cartunista e tradutor, além de roteirista de televisão, autor de teatro e romancista bissexto. Com mais de 60 livros lançados, dentre eles “O Analista de Bagé” , “As Cobras e Outros Bichos”, “Ed Mort e Outras Histórias”, “O Jardim do Diabo”e “A Velhinha de Taubaté”, Verissimo é um dos autores contemporâneos mais populares do Brasil.
Na televisão, criou quadros para o programa "Planeta dos Homens", na Rede Globo e também para a série "Comédias da Vida Privada", baseada em seu livro homônimo.

Fanny Abramovich
Com mais de vinte anos dedicados à ficção, Fanny é uma das grandes autoras da literatura infantil e juvenil, além de pedagoga e atriz. Especializou-se em arte e educação em Paris e em tele-educação em Roma. Escreveu sobre educação infantil para o Jornal da Tarde e outros periódicos, e apresentou quadros sobre o assunto na televisão, como no programa TV Mulher, da Rede Globo. É autora, dentre outros, de “Sai pra lá dedo-duro”, “Segredos secretos”, “Começar tudo de novo!?”, “Teimas e birras” e “Dias difíceis”.

Enéas Athanazio



Um dos grandes pesquisadores de Monteiro Lobato no Brasil, o escritor Enéas Athanazio abre a Feira do Livro de Jaraguá do Sul com uma palestra especial sobre o autor de “O sítio do pica-pau amarelo”. Athanazio é autor de “As três dimensões de Lobato” e “As antecipações de Lobato”, dentre outros.

3ª Maratona de Contos do SESC



A 3ª Maratona de Contos SESC Jaraguá do Sul tem como principal objetivo o incentivo à leitura, à oralidade e à expressividade.
No auditório da 3ª Feira do Livro de Jaraguá do Sul vários contadores de histórias utilizam-se das técnicas de uma das mais antigas formas de arte do mundo – a narrativa – para encantar crianças, jovens e adultos. Diariamente diversas histórias invadem a Feira do Livro, falta você, venha se encantar!

Mostra de cinema brasileiro



A Mostra de Cinema Brasileiro apresenta filmes que são sucesso de crítica e público e expressam os desafios e as glórias dessa nação de muitas faces chamada Brasil. Traga seus amigos e familiares: venha rir, se emocionar e pensar assistindo o melhor do cinema nacional. São sete dias de pura magia, sempre às 19h, com os premiadíssimos “Não por acaso” (9/7), “O ano em que meus pais saíram de férias” (10/7), “Linha de Passe”(13/7), “Narradores de Javé”(14/7), “Pequeno dicionário amoroso”(15/7), “Maciço”(16/7) e “Houve uma vez dois verões”(17/7).
Não por acaso
Quinta-feira, 9 de julho, 19h no auditório da Feira do Livro na Praça Angelo Piazera
Direção: Philippe BarcinskiTempo de Duração: 90 minutos Ano de Lançamento (Brasil): 2007
Censura: 12 anos

Ênio é um homem de meia-idade que vive na solidão, depois de um relacionamento fracassado. Metódico e apegado ao passado, esconde-se atrás do trabalho de engenheiro de trânsito e acredita que controlar as emoções é tão possível quanto administrar o tráfego de uma grande cidade. Pedro, 30 anos, namora Teresa, que está de mudança para sua casa. Herdou do pai uma marcenaria e o gosto pela sinuca. Vê a vida como uma sucessão de jogadas ensaiadas e efeitos previsíveis, à semelhança do jogo. Quando um acidente de trânsito atravessa as trajetórias paralelas dos dois, o imponderável se impõe e o descontrole começa. Ênio será forçado a abrir a porta de seu mundo de isolamento para a filha adolescente, Bia, com quem nunca teve contato. Pedro se envolverá em um romance com a executiva Lúcia, inquilina do apartamento de Teresa. Nessa jornada de transformação, guiados por duas mulheres, verão que o fluxo do trânsito humano é caótico demais para ser controlado - e que, quando há um parceiro, não é possível prever todas as jogadas.
O ano em que meus pais saíram de férias
Sexta-feira, 10 de julho, 19h no auditório da Feira do Livro na Praça Angelo Piazera

Direção: Cao HamburguerTempo de Duração: 110 minutos Ano de Lançamento (Brasil): 2006
Censura: 12 anos
1970. Mauro (Michel Joelsas) é um garoto mineiro de 12 anos, que adora futebol e jogo de botão. Um dia sua vida muda completamente, já que seus pais saem de férias de forma inesperada e sem motivo aparente para ele. Na verdade os pais de Mauro foram obrigados a fugir por serem de esquerda e serem perseguidos pela ditadura, tendo que deixá-lo com o avô paterno (Paulo Autran). Porém o avô enfrenta problemas, o que faz com que Mauro tenha que ficar com Shlomo (Germano Haiut), um velho judeu solitário que é seu vizinho. Enquanto aguarda um telefonema dos pais, Mauro precisa lidar com sua nova realidade, que tem momentos de tristeza pela situação em que vive e também de alegria, ao acompanhar o desempenho da seleção brasileira na Copa do Mundo.

Linha de passe
Segunda-feira, 13 de julho, 19h no auditório da Feira do Livro na Praça Angelo Piazera
Direção: Walter Salles e Daniela ThomasTempo de Duração: 108 minutos Ano de Lançamento (Brasil): 2008
Censura: 16 anos
São Paulo. 19 milhões de habitantes, 200 quilômetros diários de engarrafamento. No coração de uma das maiores metrópoles do mundo, quatro irmãos tentam reinventar suas vidas. Reginaldo, o mais novo, procura obstinadamente o seu pai, que nunca conheceu. Dario, prestes a completar 18 anos, sonha com uma carreira como jogador de futebol profissional. Dinho, funcionário de um posto de gasolina, procura na religião o refúgio para um passado obscuro. Dênis, o irmão mais velho, já é pai de um filho e ganha a vida como motoboy. No centro desta família está Cleusa, 42 anos, grávida do quinto filho. Ela trabalha duro como empregada doméstica enquanto luta para manter os filhos na linha. Para sobreviver à brutalidade de uma cidade onde as oportunidades se afunilam, eles só podem contar um com o outro.
Narradores de Javé
Terça-feira, 14 de julho, 19h no auditório da Feira do Livro na Praça Angelo Piazera

Direção: Eliane CafféTempo de Duração: 100 minutos Ano de Lançamento (Brasil): 2003
Censura: 12 anos
Somente uma ameaça à própria existência pode mudar a rotina dos habitantes do pequeno vilarejo de Javé. É aí que eles se deparam com o anúncio de que a cidade pode desaparecer sob as águas de uma enorme usina hidrelétrica. Em resposta à notícia devastadora, a comunidade adota uma ousada estratégia: decide preparar um documento contando todos os grandes acontecimentos heróicos de sua história, para que Javé possa escapar da destruição. Como a maioria dos moradores são analfabetos, a primeira tarefa é encontrar alguém que possa escrever as histórias.

Pequeno dicionário amoroso
Quarta-feira, 15 de julho, 19h no auditório da Feira do Livro na Praça Angelo Piazera
Direção: Sandra WerneckTempo de Duração: 91 minutos Ano de Lançamento (Brasil): 1996
Censura: 12 anos
Não case nem separe antes de ver este filme... Um jovem casal, Luiza e Gabriel, se conhece por acaso. Se apaixonam e iniciam uma relação amorosa. À medida em que se envolvem, eles questionam a natureza dos seus sentimentos. O filme acompanha, de forma bem-humorada e poética, o itinerário sentimental das personagens, revelando a paixão através da forma incomum de um dicionário amoroso. Da atração a separação, passando pelas coincidências, felicidade, idílio, jogo, juramento, pesadelo, revanche... todo o romance é documentado sob a forma de verbetes. E, como para os seres humanos o amor é um sentimento interminável, não seria diferente para Luiza e Gabriel, que continuam a amar.

Maciço

Quinta-feira, 16 de julho, 19h no auditório da Feira do Livro na Praça Angelo Piazera

Direção: Pedro MCTempo de Duração: 79 minutos Ano de Lançamento: 2009
Censura: 12 anos

Um olhar sobre uma Florianópolis invisível, o documentário Maciço é a vez e a voz dos moradores de 17 comunidades do Maciço do Morro da Cruz, região central e periférica de Florianópolis. As questões de preconceito, cidadania e cultura são tratadas neste recorte preciso.
Documentário contemplado pelo Edital Cinemateca Catarinense / Fundação Catarinense de Cultura.


Houve uma vez dois verões
Sexta-feira, 17 de julho, 19h no auditório da Feira do Livro na Praça Angelo Piazera
Direção: Jorge FurtadoTempo de Duração: 75 minutos Ano de Lançamento (Brasil): 2002
Censura: 12 anos
Chico (André Arteche) é um jovem ingênuo que acredita que um dia encontrará o grande amor de sua vida. Roza (Ana Maria Mainieri) é uma jovem que só pensa em conseguir dinheiro suficiente para realizar sua sonhada viagem para a Austrália. Eles se encontram por acaso e, juntos, vivem uma intensa paixão. Porém várias reviravoltas do destino ainda irão influir no relacionamento deles.
Primeiro longa-metragem de Jorge Furtado, diretor de “O homem que copiava”, “Meu tio matou um cara” e “Saneamento básico”.
....................................................................
Roteiro Cultural de Junho da Fundação Cultural de Blumenau


17 de junho de 2009

Alguns dos melhores livros que recomendo!



Aos visitantes deste blog:
BEM VINDOS!

Bienvenidos
Welcome
Bienvenue
Benvenuto
Willkomen
DICAS DE LEITURA:

Queridos leitores, apresento alguns títulos para você ler e amar para sempre.

A Bolsa Amarela, Lygia Bojunga (Editora Casa Lygia Bojunga) A partir de 8 anos.

Reinações de Narizinho (vol.1 e 2), de Monteiro
Lobato (Editora Globo) e ilustrações de Paulo
Borges. A partir de 6 anos.

Marcelo, Marmelo, Martelo e Outras Histórias, de Ruth Rocha e ilustrações de Adalberto Cornavaca, (Editora Salamandra) A partir de 6 anos.

Ou Isto ou Aquilo, Cecília Meireles e ilustrações de Thaís Linhares (Editora Nova Fronteira) A partir de 4 anos.
Contos de Andersen, de Hans Christian Andersen (Editora Ática) Com tradução de Mary França e belos desenhos de Eliardo França. A partir de 4 anos.

O Menino Maluquinho, de Ziraldo (Editora Melhoramentos) A partir de 7 anos.
Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll (Cia das Letrinhas) Contada por Ruy Castro e ilustrada por Laura Beatriz. A partir de 9 anos. Este livro marcou minha infância.

Sem Palmeira ou Sabiá, de Bartolomeu Campos de Queirós (Ed. Peirópolis). A partir de 7 anos

Histórias para Ler na Cama, de Debi Gliori (Ed. Cia. das Letrinhas). A partir de 7 anos.

A Árvore Generosa, de Shel Silverstein (Ed. Cosac Naify). A partir de 4 anos.
O Livro dos Pontos de Vista, de Ricardo Azevedo (Ed. Ática). A partir de 6 anos.
Palavras São Pássaros, de Angela Leite de Souza (Ed. Salesiana). A partir de 6 anos.
MENINA DAS ESTRELAS de Ziraldo Ed. Melhoramentos. A partir de 6 anos.
Semana que vem tem mais!

Alguns livros essenciais da literatura brasileira

Dica de hoje:
Qual estilo você prefere?
Romance, poesia, crônica ou conto?

Nossos alunos dão dicas de leitura.

Olha o que tem de novidade na web.

Entre eles:
O Tempo e o Vento, Obra Poética, Nova Antologia Poética, Poesias, O Quinze, Febeapá, etc.

Seleção dos 100 melhores livros dos melhores autores do país.
Clique no link abaixo e confira:
http://educarparacrescer.abril.com.br/leitura/100-livros-essenciais-398904.shtml

10 de junho de 2009

Links importantes

http://estudeonline.net/artigos.aspx

http://www.mte.gov.br/biblioteca/bib_dicas.asp

Retorne ao menu para Leitores de Tela.

Biblioteca Virtual de Direitos Humanos - USP

Biblioteca Virtual de Economia

Biblioteca Virtual de Estudos Culturais

Biblioteca Virtual de Direitos Humanos - USP

Biblioteca Virtual em Saúde


Revistas

Disponibiliza a capa e o sumário das principais revistas recebidas pela Biblioteca, nas seguintes áreas: Direito, Ciências Sociais, Economia, Educação e Política.

A relação pode ser pesquisada nas áreas de interesse a seguir:
Ciências Sociais
Direito
Economia
Educação



Apoio aos professores


Olá, pessoal!

Trabalho na Biblioteca da EBM Francisco Lanser. Estou em duvida quanto a um livro que recebi do FNDE
DEUS Segundo Laerte. Gostaria de saber a opinião de outros profissionais, quanto a possibilidade do livro circular entre os alunos.
Abraços Jeane Angelita
Sou orientadora pedagógica na rede municipal e gostaria de sugestões de atividades de matemática contextualizadas. Pretendo fazer uma oficina para as professoras das escolas que trabalho.

Ola! Quero receber informações sobre modelo de planejamento pedagógico, na linha construtivista.


Estou encantada com o blog, pela diversidade de assuntos e idéias maravilhosas.


Olá.. Sou professora do ensino fundamental séries iniciais, preciso de um exemplo de mapa textual.

Sou professora da rede municipal, trabalho com o 1º ano e gostaria de trabalhar com leitura e interpretação, pois na mesma há muita deficiência.


Adoro ser professora....trabalho com ensino infantil e fundamental. Gosto de coisas criativas. Adorei o blog.

Olá! Sou professora da rede municipal de ensino da minha cidade. Adorei esse blog.Obrigada .


Sou coordernadora e professora de Inglês e gostaria de trabalhar em minha escola com leitura e interptretação, pois na mesma há muita deficiência. Envie alguns textos pequenos para passar para os demais professores.


Necessito textos sobre arte educação na educação infantil 0 a 3 anos, com finalidade de pesquisa para tcc, referente à contribuição do professor desta faixa etária para a aquisição do desenho.





DICAS!!!


Para estimular os leitores durante a leitura


Prestar atenção nas imagens que acompanham o texto

Estimular a falar e contar o que se está lendo

Perguntar se estão encontrando dúvidas

.............................................................................

Para depois da leitura

Conversar sobre a leitura

Perguntar quais passagens foram mais complicadas
Anotar dúvidas e expondo-as em classe

Recordar o vocabulário novo

Comprovar se aprenderam o significado das palavras
Orientar-lhes fazendo um resenhas

Convidar-lhes a criar conclusões/desfechos

Ordenar uma sequencia da história de forma oral

..........................................................................................


9 de junho de 2009

CORDEL ENAMORADOS

"literatura de cordel"

“SEMANA DOS NAMORADOS”

Literatura de cordel ganha espaço na biblioteca e salas de aula da Pastor Faulhaber como suporte pedagógico.

CORDEL DOS ENAMORADOS

"Num cordel imaginário,
Prendi o seu coração.
Era um jeito necessário,
De manter minha paixão.
Antigas cartas do armário,
Parecendo um relicário,
Na palma da minha mão.
(...)

Cada carta que relia,
Uma lágrima na escuridão.
De tão forte que batia,
Abria sulcos no chão.
Era a lembrança que um dia,
Eu pra você vivia,
Era seu, o meu coração.
(...)

O amor era tão louco,
Ninguém duvidava, não.
Mas ainda foi tão pouco,
Pois só restou solidão.
Agora o cordel abriga,
Saudade em carta antiga,
Gravada em meu coração.
(...)

Cordel dos enamorados,
Dias melhores virão.
Ficaremos acordados,
Ao som do meu violão.
Sob raios de lua, prateados,
Dois corpos entrelaçados,
Enfim, numa só paixão.
(...)
Maria de Fátima Martins Baumgärtner

A Biblioteca Municipal Dr. Fritz Müller realizou a quinta edição da Semana dos Namorados, de 8 a 10 de junho. Com a temática da cultura italiana a programação reuniu escritores que vão abordar suas experiências como escritores/leitores, além de distribuição de receitas da culinária italiana.
A exposição temática foi a cultura italiana. Também teve a cesta de poemas com distribuição de poesias e um sarau literário com música, dança folclórica e coral italiano, noite de autógrafos, entre outras atrações.

Da esquerda para a direita: - escritora Terezinha Manczack, Bibliotecária Sandra, profª/ Agente de leitura/pesquisa - Fátima e profª de Língua Portuguesa da nossa escola - Kelly.
A Semana dos Namorados teve como objetivo reunir escritores, estudantes, professores, artistas, leitores e a comunidade, em atividades que promovem o livro, a leitura e a biblioteca em torno de uma temática romântica: um grande "brinde à literatura". A entrada foi gratuita e todos podem participar; grupos devem fazer o agendamento prévio pelo telefone 3326 6787.

V Semana dos Namorados
E.B.M Pastor Faulhaber representada pelas profªs Maria de Fátima (Biblioteca) e Kelly Maria (Língua Portuguesa) que foram com a 7ª série, até a Biblioteca Municipal Dr. Fritz Muller, prestigiar a V Semana dos Namorados, hoje dia 08 de Junho. Foi uma manhã especial.

No dia 09, a 8ª série irá com a profª Fátima e a coordenadora Ingelore.
Programação da semana:
8/6 – segunda 9h - Literatura e Profissão: Gervásio Luz e Terezinha Manzack



Biblioteca Municipal Dr. Fritz Müller
Alameda Duque de Caxias, 64 - Centro - Blumenau/SC - CEP: 89015-010
Fone/Fax: (47) 3326-6787 - E-mail: biblioteca@fcblu.com.br
Horário de Atendimento: de Segunda à Sexta das 8h às 17h30min e aos Sábados das 8h às 12h.

Vários alunos declamaram ou leram poemas.
A E.B.M Fernando Ostermann também participou.
Abaixo a profª Juliana Luebke, declamando poema de Manuel Bandeira. Ela é uma das autoras do livro Reconstruindo
Memórias organizado na E.B.M. Anita Garibaldi,
com seus alunos.
Ela declamou este poema:
http://www.revista.agulha.nom.br/gu.html#estavida
Esta vida
Um sábio me dizia: esta existência,
não vale a angústia de viver.
A ciência,se fôssemos eternos,
num transportede desespero inventaria a morte.
Uma célula orgânica apareceno infinito do tempo.
E vibra e crescee se desdobra e estala num segundo.
Homem, eis o que somos neste mundo.
Assim falou-me o sábio e eu comecei a ver
dentro da própria morte, o encanto de morrer.
Um monge me dizia: ó mocidade,
és relâmpago ao pé da eternidade!
Pensa: o tempo anda sempre e não repousa;
esta vida não vale grande coisa.
Uma mulher que chora, um berço a um canto;
o riso, às vezes, quase sempre, um pranto.
Depois o mundo, a luta que intimida,
quadro círios acesos : eis a vida
Isto me disse o monge e eu continuei a ver
dentro da própria morte, o encanto de morrer.
Um pobre me dizia: para o pobrea vida,
é o pão e o andrajo vil que o cobre.
Deus, eu não creio nesta fantasia.
Deus me deu fome e sede a cada dia
mas nunca me deu pão, nem me deu água.
Deu-me a vergonha, a infâmia, a mágoa
de andar de porta em porta, esfarrapado.
Deu-me esta vida: um pão envenenado.
Assim falou-me o pobre e eu continuei a ver,
dentro da própria morte, o encanto de morrer.
Uma mulher me disse: vem comigo!
Fecha os olhos e sonha, meu amigo.
Sonha um lar, uma doce companheira
que queiras muito e que também te queira.
No telhado, um penacho de fumaça.
Cortinas muito brancas na vidraça
Um canário que canta na gaiola.
Que linda a vida lá por dentro rola!
Pela primeira vez eu comecei a ver,
dentro da própria vida, o encanto de viver.
..........................................
A profª Fátima (poeta) declamou um de seus poemas, intitulado
"BAILARINA"
(M. de Fátima)
Quando menina
Sonhava ser bailarina
Dançar num palco iluminado
E ao olhar para frente
Veria somente você
Como um príncipe
Que saíra de uma história
E entrara em outra
Cresci e agora vejo
Que o meu desejo
Se transformara em palavras
A bailarina é uma caneta
O palco iluminado é o papel
Só meu príncipe ainda é você
......................................
Eis aqui mais um poema de Manuel Bandeira
Belo Belo
Belo belo belo,
Tenho tudo quanto quero.
Tenho o fogo de constelações extintas há milênios.
E o risco brevíssimo — que foi?
passou — de tantas estrelas cadentes.
A aurora apaga-se,
E eu guardo as mais puras lágrimas da aurora.
O dia vem, e dia adentro
Continuo a possuir o segredo grande da noite.
Belo belo belo,
Tenho tudo quanto quero.
Não quero o êxtase nem os tormentos.
Não quero o que a terra só dá com trabalho.
As dádivas dos anjos são inaproveitáveis:
Os anjos não compreendem os homens.
Não quero amar,Não quero ser amado.
Não quero combater,Não quero ser soldado.
— Quero a delícia de poder sentir as coisas mais simples."
Programação que nossos alunos prestigiaram:

Dia 8 – segunda
9h - Proseando com o escritor: Literatura e Profissão: Gervásio Luz e Terezinha Manzack


Dia 9 – terça
9 h - Proseando com o escritor: De leitor a Autor: a experiência de se construir escritor: Viegas Fernandes da Costa

Fonte: Sandra Cristina da Silva - Bibliotecária.

Esposa do escritor Viegas
Viegas Fernandes da Costa
Coordenadora Ingelore T. Pacheco


Dia 09 foi a vez do escritor Viegas Fernandes da Costa que é historiador e escritor. Atualmente trabalha na Universidade Regional de Blumenau, onde edita o site de literatura Sarau Eletrônico. Reside em Blumenau, SC.
Autor do livro "Sob a Luz do Farol" (Crônicas, 2005).

Conheça mais sobre ele, no blog abaixo:
http://viegasdacosta.blogspot.com/">http://viegasdacosta.blogspot.com/

Aconteceu o Sarau Literário, na terça, às 19h30min, com apresentação da Banda Municipal, autógrafos por escritores blumenauenses, declamação de poemas,(nossa profª Fátima participou declamando "CAIS") coral apresentado pelo Grupo Fratelli Del Circolo, música e dança com o Grupo Belli Balli, no interior da Biblioteca Municipal e também no Horto da Fundação Cultural.

CORDEL ENAMORADOS
"literatura de cordel"

“SEMANA DOS NAMORADOS”

Literatura de cordel ganha espaço na biblioteca e salas de aula da Pastor Faulhaber como suporte pedagógico.

CORDEL DOS ENAMORADOS

"Num cordel imaginário,
Prendi o seu coração.
Era um jeito necessário,
De manter minha paixão.
Antigas cartas do armário,
Parecendo um relicário,
Na palma da minha mão.
(...)

Cada carta que relia,
Uma lágrima na escuridão.
De tão forte que batia,
Abria sulcos no chão.
Era a lembrança que um dia,
Eu pra você vivia,
Era seu, o meu coração.
(...)

O amor era tão louco,
Ninguém duvidava, não.
Mas ainda foi tão pouco,
Pois só restou solidão.
Agora o cordel abriga,
Saudade em carta antiga,
Gravada em meu coração.
(...)

Cordel dos enamorados,
Dias melhores virão.
Ficaremos acordados,
Ao som do meu violão.
Sob raios de lua, prateados,
Dois corpos entrelaçados,
Enfim, numa só paixão.
(...)
Maria de Fátima Martins Baumgärtner
---------------------------------------------------------------------------
Abaixo poema de Manuel Bandeira declamado pela profª Juliana Luebke,

Ela é uma das autoras do livro Reconstruindo
Memórias organizado na E.B.M. Anita Garibaldi,
com seus alunos.

http://www.revista.agulha.nom.br/gu.html#estavida

Esta vida
Um sábio me dizia: esta existência,
não vale a angústia de viver.
A ciência,se fôssemos eternos,
num transportede desespero inventaria a morte.
Uma célula orgânica apareceno infinito do tempo.
E vibra e crescee se desdobra e estala num segundo.
Homem, eis o que somos neste mundo.
Assim falou-me o sábio e eu comecei a ver
dentro da própria morte, o encanto de morrer.
Um monge me dizia: ó mocidade,
és relâmpago ao pé da eternidade!
Pensa: o tempo anda sempre e não repousa;
esta vida não vale grande coisa.
Uma mulher que chora, um berço a um canto;
o riso, às vezes, quase sempre, um pranto.
Depois o mundo, a luta que intimida,
quadro círios acesos : eis a vida
Isto me disse o monge e eu continuei a ver
dentro da própria morte, o encanto de morrer.
Um pobre me dizia: para o pobrea vida,
é o pão e o andrajo vil que o cobre.
Deus, eu não creio nesta fantasia.
Deus me deu fome e sede a cada dia
mas nunca me deu pão, nem me deu água.
Deu-me a vergonha, a infâmia, a mágoa
de andar de porta em porta, esfarrapado.
Deu-me esta vida: um pão envenenado.
Assim falou-me o pobre e eu continuei a ver,
dentro da própria morte, o encanto de morrer.
Uma mulher me disse: vem comigo!
Fecha os olhos e sonha, meu amigo.
Sonha um lar, uma doce companheira
que queiras muito e que também te queira.
No telhado, um penacho de fumaça.
Cortinas muito brancas na vidraça
Um canário que canta na gaiola.
Que linda a vida lá por dentro rola!
Pela primeira vez eu comecei a ver,
dentro da própria vida, o encanto de viver.
..........................................
A profª Fátima (poeta) declamou um de seus poemas, intitulado
"BAILARINA"
(M. de Fátima)
Quando menina
Sonhava ser bailarina
Dançar num palco iluminado
E ao olhar para frente
Veria somente você
Como um príncipe
Que saíra de uma história
E entrara em outra
Cresci e agora vejo
Que o meu desejo
Se transformara em palavras
A bailarina é uma caneta
O palco iluminado é o papel
Só meu príncipe ainda é você
......................................
Eis aqui mais um poema de Manuel Bandeira
Belo Belo
Belo belo belo,
Tenho tudo quanto quero.
Tenho o fogo de constelações extintas há milênios.
E o risco brevíssimo — que foi?
passou — de tantas estrelas cadentes.
A aurora apaga-se,
E eu guardo as mais puras lágrimas da aurora.
O dia vem, e dia adentro
Continuo a possuir o segredo grande da noite.
Belo belo belo,
Tenho tudo quanto quero.
Não quero o êxtase nem os tormentos.
Não quero o que a terra só dá com trabalho.
As dádivas dos anjos são inaproveitáveis:
Os anjos não compreendem os homens.
Não quero amar,Não quero ser amado.
Não quero combater,Não quero ser soldado.
— Quero a delícia de poder sentir as coisas mais simples."

-----------------------------------------------

Em versos singelos
Alexandre Pavan

Literatura de cordel ganha salas de aula e transforma-se em instrumento pedagógico, da educação infantil ao ensino médio


"Cordel quer dizer barbante
Ou senão mesmo cordão,
Mas cordel-literatura
É a real expressão
Como fonte de cultura
Ou melhor poesia pura
Dos poetas do sertão.
(...)

O chamado trovador
Ou poeta popular
Era semi-analfabeto
Porém sabia rimar,
Seus folhetos escrevia
E os sertanejos os liam
Por ser o seu linguajar.
(...)

O cordel é dividido
Escrito, cantado, oral,
Porém o cordel legítimo
É aquele tipo jornal,
Que trazia a notícia nova
Em sextilhas, nunca em trova
Que agrada o pessoal.
(...)

O cordel sendo cultura
Hoje tem sua tradição,
Chamado literatura
Veículo de educação
Retrata histórias passadas
Que estão documentadas
Para toda geração."

Estrofes retiradas do folheto Origem da Literatura de Cordel e A Sua Expressão de Cultura Nas Letras de Nosso País, de Rodolfo Coelho Cavalcante.


Veio o rádio, a televisão, a internet. A cada novo avanço tecnológico das comunicações era decretado o fim dos folhetos de cordel. No entanto, apesar de ter enfrentado momentos de penúria, a tradicional literatura popular escrita em versos sobreviveu, e mais: ganhou os bancos escolares, nos quais alunos da educação infantil ao ensino médio a estudam e praticam.

No ano passado, em uma viagem pelo nordeste, berço do cordel no Brasil, a professora de português Regina Pavani Patriota adquiriu alguns folhetos e, impressionada com o envolvimento das pessoas daquela região com esse tipo de literatura, resolveu apresentá-la aos estudantes da Escola Estadual Padre Manoel de Paiva, de ensino médio, localizada no bairro do Campo Belo, em São Paulo, onde leciona.

"É muito interessante porque é popular e aborda temas atuais e do cotidiano", explica. No semestre passado, Regina realizou atividades de leitura e preparação de textos pelos próprios estudantes. "Se eles têm dificuldade para escrever prosa, imagine então em versos. Mas o resultado foi impressionante e todos se envolveram bastante", orgulha-se.

Patativa - A professora conta que a maioria dos alunos não sabia o que era cordel. Fernanda Andrade Pinheiro, 16 anos, foi exceção. Seus primos são donos da editora Hedra que, em 2000, colocou no mercado uma série de livros de bolso com textos de cordelistas famosos (Série Biblioteca de cordel, 10 volumes, cerca de 130 págs., R$ 10 cada). "Além disso, um outro primo meu é prefeito de Assaré (CE) e chegou a conhecer o poeta Patativa. Trabalhar com literatura de cordel em sala de aula é interessante porque é uma maneira de se envolver mais com a poesia", acredita a estudante. Sua colega de sala, Suzana Aparecida de Oliveira, também aprovou as atividades sugeridas pela professora. "Eu já tinha ouvido falar em cordel mas nunca havia lido nada, foi bom conhecer", revela.

A expressão "literatura de cordel" foi cunhada por estudiosos da cultura popular para designar os folhetos vendidos em feiras, em uma referência ao que se fazia em Portugal, onde cordéis eram sinônimo de livros impressos em papel barato, vendidos a preços baixos e expostos pendurados em barbantes, cordões, daí o nome.

Embora os folhetos brasileiros sejam uma herança portuguesa, esse tipo de literatura existiu (e em alguns lugares ainda existe) em quase todo o mundo, principalmente na Europa (Alemanha, Holanda, França e Inglaterra). Aqui ela começou a desenvolver-se no final do século XIX e fez sucesso nos sertões e áreas rurais, desempenhando a função informativa dos jornais, já que a circulação destes ficava restrita às capitais e cidades de maior importância. Estima-se que o Brasil já produziu mais de 40 mil folhetos. Hoje, acredita-se que existam 2 mil poetas em atividade.

Envolvendo realidade e ficção os temas abordados pelos cordelistas são os mais diversos, desde disputas eleitorais entre políticos e problemas sociais até histórias de amor e aventura que têm como personagens reis, rainhas e princesas. No entanto, dois assuntos destacam-se na preferência dos poetas: a religião (principalmente a devoção do povo a Padre Cícero e Frei Damião) e o cangaço (narrações sobre as façanhas de homens como Lampião e João Calangro).

Além da arte poética, os folhetos também trazem ilustrações em suas páginas - reproduções de desenhos, fotos coloridas ou então as tradicionais xilogravuras de artistas populares. As gravuras talhadas em madeira (imburana, cedro ou pinho) passaram a ser utilizadas na década dos 40 como uma forma de poetas e editores baratearem o custo de produção de suas obras.

Em abril passado, o Sesc Pompéia, na capital paulista, sob a curadoria do jornalista Audálio Dantas, organizou a exposição 100 Anos de Cordel, oferecendo feira de folhetos e xilogravuras, shows musicais, oficinas e palestras sobre a literatura popular. Motivada pelo evento, a escola de educação infantil Grão de Chão, situada no bairro de Perdizes, em São Paulo (SP), programou uma visita com seus alunos da pré-escola.

Há quatro anos os professores já haviam desenvolvido um trabalho sobre os cem anos da Guerra de Canudos utilizando o cordel. "Naquela oportunidade, apresentamos aos alunos os aspectos geográficos do nordeste. Dessa vez, quisemos trabalhar a estrutura de linguagem dos folhetos: suas rimas, versos, estrofes", explica a coordenadora pedagógica Paula Antunes Ruggiero.

Aos alunos foram apresentados alguns cordéis, como A Raposa e o Urubu e Criança Responde, este último, um jogral de perguntas e respostas com temáticas infantis. Depois, entre outras atividades, as crianças fizeram o registro de uma festa de aniversário em pequenas trovas. Foi uma produção coletiva, com os meninos construindo rimas com o auxílio da professora.

Cultura popular - "As crianças do Grão de Chão têm muito contato com literatura. Desde muito cedo eles ouvem poesia, parlendas e histórias, além disso valorizamos a cultura popular e a apresentamos com muito respeito", comenta Regina, que completa: "O encanto no aluno nasce na forma como o professor apresenta o material. Quando a gente mostra um cordel e diz 'olha que coisa legal que eu trouxe para vocês', contando a história, explicando o porquê do nome, isso produz na criança o desejo de olhar aquilo com carinho."

Postura semelhante é a das professoras Josca Ailine Baroukh, a Jô, Madalena Monteiro e Lynn Carone, que lecionam no Vera Cruz, no bairro do Alto de Pinheiros, São Paulo (SP), para as crianças do ensino infantil. O projeto pedagógico escolhido para este ano visa apresentar aos estudantes maneiras de brincar diferentes daquelas que eles praticam hoje, na era das diversões eletrônicas.

Assim, começaram a procurar uma história a partir da qual pudessem desenvolver atividades lúdicas integradas ao aprendizado. Madalena, que também é contadora de histórias, sugeriu o livro A Pedra do Meio-Dia ou Artur e Isadora (Editora 34, 77 págs., R$ 9), de Bráulio Tavares, escrito em forma de cordel e no qual são apresentados diversos desafios aos personagens.

Baseadas na narrativa, as professoras criaram um jogo de caça ao tesouro para as crianças. Primeiramente, depois de conhecer a história, todos tiveram de recontá-la. Uns fizeram de forma escrita, outros de forma oral. "Os alunos adoram rima e envolvem-se bastante com os textos poéticos", diz Lynn.

Em sua sala, Jô optou por anotar os comentários dos alunos. "Com isso, procurei mostrar as diferenças entre a linguagem escrita e a falada, pois eles repetiam muito 'aí' e 'então'. Juntos, fizemos a edição daquilo que eles recontaram e produzimos um livro, cujas ilustrações são 'xilogravuras' feitas com isopor", conta. Embora o resultado final tenha sido um texto em prosa, em algumas partes os alunos produziram rimas. "A sonoridade das palavras fica guardada na cabeça deles."

Todos os professores que têm trabalhado com o cordel - mesmo os que lecionam em uma cidade como São Paulo, onde é difícil encontrar folhetos à venda - se mostram satisfeitos com o resultado das atividades que aplicam aos alunos. Com a intenção de sugerir novas formas de usar essa literatura como instrumento pedagógico, os pesquisadores Hélder Pinheiro e Ana Cristina Marinho Lúcio lançaram recentemente Cordel na Sala de Aula (Editora Duas Cidades, 110 págs., R$ 12), livro que conta a história dos folhetos, apresenta um painel dos temas mais presentes e traz sugestões metodológicas de sua abordagem nas escolas. Mas os autores avisam: "É possível criar um ambiente agradável de invenção e apreciação dos folhetos sem o tormento da criação obrigatória. Afinal, como lembra Carlos Drummond de Andrade, precisamos mais de amadores de poesia do que propriamente autores."


Entenda os folhetos

- Pelejas - os desafios aparecem nos cordéis em uma reprodução do que acontece nas feiras e casas de cantadores de viola. Nesses folhetos, cada poeta mostra suas habilidades no verso e procura depreciar o oponente. Geralmente são escritas em ritmo de "martelo" (versos decassílabos, com acentuação nas terceira, sexta e décima sílabas).

- Folhetos de circunstância ou de época - esta modalidade relata os últimos acontecimentos políticos do País e do mundo, além de histórias curiosas de assassinatos de pessoas famosas ou assombrações que andam pelo sertão. Alguns tornaram-se clássicos, como os que versam sobre as mortes de Padre Cícero, Getúlio Vargas e Tancredo Neves.

- ABCs - poemas narrativos em que cada estrófe corresponde a uma letra do alfabeto.

- Romances - folhetos comumente escritos em sextilhas, com rimas em ABCBDB. Também são mais volumosos: têm de 24 a 56 páginas, enquanto as pelejas e folhetos de circunstâncias têm de 8 a 16 páginas.


Fonte: Cordel na Sala de Aula, de Hélder Pinheiro e
Ana Cristina Marinho Lúcio.
Fonte na web: http://www2.uol.com.br/aprendiz/n_revistas/revista_educacao/outubro01/destaque.htm

2 de junho de 2009

EQUIPE ADMINISTRATIVA


Nara Maders
Graduada em pedagogia , com Especialização em Educação Psicomotora e Gestão Escolar. Nasceu em Rio Grande Do Sul.












Dia 19 de junho aconteceu nossa festa junina!
E.B.M Pastou Faulhaber
Rua: Pastor Osvaldo Hesse
Bairro: Ribeirão Fresco
Blumenau SC
Biblioteca Princesa Isabel"
mailto:biblioteca.princesaisabel@yahoo.com.br

Algumas receitinhas juninas que nossos alunos escolheram para você!

Bolo de fubá com caldo de laranja
2 colheres de fermento em pó
2 copos (requeijão faltando 2 dedos) de açúcar
1 copo (requeijão faltando 2 dedos) de óleo
1 copo (requeijão) de caldo de laranja
1 copo (requeijão) de farinha de trigo
1 copo (requeijão) de Fubá
4 ovos inteiros1 pitada de sal
Bater tudo no liquidificador ou batedeira. Untar uma forma redonda grande com óleo e polvilhar com açúcar cristal e canela em pó e em seguida a massa. Assar por 40 minutos em forno 250º graus.

Arroz-doce com Leite Condensado

1 xícara (chá) de arroz
4 xícara (chá) de água
1 lata de leite condensado
½ litro de leite fervendo canela em pó
Cozinhar o arroz em fogo baixo até a água secar totalmente. Acrescentar então, o leite e o leite condensado, misturar bem com uma colher de pau e apagar o fogo, colocar o arroz doce em tacinhas,espalhar um pouco de canela em pó, deixar esfriar um pouco e levar à geladeira. Deixar umas 4 horas antes de servir.



CANJICA COM COCO
1 xícara de leite de coco

1 xícara de canjica

1 xícara de açúcar

3 xícaras de leite

1 canela em pau

Colocar a canjica de molho em água fria por 8 horas. Escorrer e colocar em uma panela juntamente com o leite e metade do açúcar. Adicionar o pau de canela e levar à fervura em fogo baixo para que os grãos fiquem macios. Testar e se estiver no ponto adicionar à panela o açúcar restante e o leite de coco. Ferver novamente para encorpar o líquido. Servir quente salpicando com canela em pó

1 de junho de 2009

Importante

Os textos aqui publicados, são de propriedade de seus respectivos autores. Portanto, a reprodução do todo ou parte, somente poderá ocorrer com a devida autorização dos mesmos.

Opinião
Biblioteca escolar: Espaço de aprendizagem.

* Mª de Fátima M. Baumgärtner.
A biblioteca é apenas um dos locais onde acontece o encontro do leitor com a fonte da leitura, seja ela através do estímulo intrínsico - a curiosidade - ou a necessidade que a sociedade impõe aos indivíduos. A motivação que os leva a desenvolver o gosto pela leitura e o prazer de ler diversos gêneros literários, tem um só foco. O exemplo. O professor antes de tudo deve ser um leitor. Os recursos e meios oferecidos através de um bom acervo de obras, computadores, softwares específicos e material audiovisual, fazem o diferencial numa escola. Porém, se o mediador deixar de fazer aquilo que ensina, deixará para sempre uma lacuna aberta na formação dos seus educandos. Assim acontece na área da pesquisa. Ao oferecer material didático e paradidático, diversificado e integrado, fica fácil estimular os alunos, levando-os a pensar de forma crítica e responsável por escolhas futuras, mas a pesquisa deve ser mediada, pois reside no seu significado, a razão que garante o verdadeiro aprendizado.

"Prêmio Gigantes 2006 " AUTORA HOMENAGEADA


Eu tive a honra de participar, sendo homenageada na área da Literatura, sendo uma das autoras neste livro.

"Letras Catarinenses" - Registro Histórico da Literatura em Santa Catarina e suas raízes!
Lançamento do livro "Apaixonados pelo Brasil" de autoria de Gustavo Siqueira e capa de Gustavo Rosa. A obra perfila a historiografia dos homenageados do Prêmio Gigantes 2006!
http://www.stmt.com.br/gigantes2006.htm

O "Prêmio Gigantes" é uma promoção que já tem espaço garantido no calendário dos grandes eventos do sul do país. A cada ano apresenta muitos diferenciais de inovação, que tem sido a marca registrada de seu jovem idealizador, Gustavo Siqueira. Na edição deste ano a temática escolhida foi o "Orgulho em ser Brasileiro", onde formadores de opinião de todo o país foram consultados para indicar pessoas e empresas que em pequenos ou grandes gestos fazem da sua trajetória e da prática do seu cotidiano um exercício de cidadania. Todas as categorias são distintas e tem critérios muito bem delineados para manter a credibilidade da premiação que já emplacou na maioria dos grandes veículos de comunicação do Brasil. O Gigantes é considerado pela crítica especializada "a maior premiação de Santa Catarina"e a "única do gênero que pefila seus homenageados em livro no Brasil". Neste ano, 10 personalidades representam as "Paixões do Povo Brasileiro:

Televisão - Claudete Troiano
Solidariedade - Dra. Delasnieve Daspet
Teledramaturgia - Dercy Gonçalves
Religião - Dom Moacyr José Vitti
Informação - Edgardo Martolio
Moda - Eugenia Fleury
Empreendedorismo - Marcos Pontes
Colunismo Social - Moacir Benvenutti
Luxo - Ovadia Saadia
Estética - Dr. Roberto Tullii
Foram selecionados alguns nomes de grande projeção nacional para dar nome as categorias do Gigantes 2006

Troféu Gustavo Rosa/Ford Center (Arte e Vida)
Troféu Celito Medeiros/Tribuna Catarinense (Educação, Cultura e Responsabilidade Social)
Troféu Lisiane Anzanello Meira (Dedicação e Vida)
Troféu Paulinho Bornhausen (Juventude e Garra)
Troféu Odete Campestrine (Mullher e Força)
Troféu Orlando Nussi/Shopping Neumarkt (Coragem e Progresso)
Troféu Ana Paula Amaro da Silveira (Ética e Justiça)
Troféu Bhabby Sá (Personalidades Selecionadas de Santa Catarina)
Troféu Layr Malta/Folha de Blumenau (Personalidades Selecionadas de São Paulo)
1º de dezembro, sexta-feira, a partir das 20 horas e 30 minutos, o coração bateu mais forte!

Destaques:

Lançamento do livro "Apaixonados pelo Brasil" de autoria de Gustavo Siqueira e capa de Gustavo Rosa. A obra perfila a historiografia dos homenageados do Prêmio Gigantes 2006!

Tributo ao empresário Ronaldo Baumgarten

Lançamento do projeto "Letras Catarinenses" - Registro Histórico da Literatura em Santa Catarina e suas raízes!


Cardápio by Chef Ana Claúdia Spengler

Banda Nega Fulô e Djs convidados

Onde foi o evento:
DATA: 1 de dezembro de 2006
LOCAL: Clube Blumenauense de Caça e Tiro (Blumenau - SC)
HORÁRIO: 20h 30min
TRAJE: Passeio Completo
CONVITES: Festa fechada para convidados
REALIZAÇÃO: Gustavo Siqueira Ações de Comunicação
PRODUÇÃO: Carlota di Pietro


Links onde constam algumas das atividades literárias/educacionais das quais é autora ou participa.

http://www..partes.com.br/poesias/mfhammes/otempo.asp

http://bibliotecaleituraepesquisa.blogspot.com/

Contato: biblioteca.princesaisabel@yahoo.com.br


Cel: (47) 84375004
--------------------------------------------------------------------------------

Publicações

”Essência do Ser”, Publicado em 1997. Poesia brasileira/ Ed. Odorizzi/Blumenau.
Projeto Cais - Prosa e poesia - Sendo organizado para este ano.

Tem participação em 27 Antologias:

Um Rio De Letras I / 2002 - Antologia da SEB - Blumenau -Ed. Nova Letra. Blumenau – Ed. Nova Letra.

Um Rio De Letras II / 2004 - Antologia da SEB- Blumenau - Ed. Nova Letra. Blumenau – Ed. Nova Letra.

www.camarabrasileira.com/ouro1.htm Fevereiro de 2005.

www.camarabrasileira.com/ac6.htm Março de 2005.

www.camarabrasileira.com/pc15.htm

www.camarabrasileira.com/pc27.htm Maio de 2006.

www.camarabrasileira.com/poemasselecionados41a.htm Março de 2008.

www.camarabrasileira.com/belostextosdenatal.htm Novembro de 2007. Texto: "Natal de luz e paz"

www.camarabrasileira.com/sobreviver.htm

Antologia "Palavras Verdes" - Março de 2008. "O alfabeto do Planeta Terra".

Revista Palavras Azuis (Nº 0-ag/2004) Ed. Alternativa, Itajaí/SC

Revista Palavras Azuis (Nº 1-jun/2005) Ed. Alternativa, Itajaí/SC.

Revista Palavras Azuis (Nº 2-ag/2005) Ed. Alternativa, Itajaí/SC


Antologia Palavras Azuis - Coleção Prosa&Verso, Vol.1- 2003

Antologia Palavras Azuis - Coleção Prosa&Verso, Vol.2- 2003

Antologia Palavras Azuis - Coleção Prosa&Verso, Vol.3- 2004

Antologia Palavras Azuis - Coleção Prosa&Verso, Vol.4- 2005

Projeto “Pão e Poesia” - Vol. I - Ed. Cultura em Movimento/ FCB.

Projeto “Pão e Poesia” - Vol. III - Ed. Cultura em Movimento/ FCB.•

ANTOLOGIAS VIRTUAIS – E-BOOKS

Antologia Virtual do Portal "Cá Estamos Nós” nº 3

www.ebooks.avbl.com.br/biblioteca2/lv1/concursopoemas/c14.htm

CONCURSO DE POEMAS RESERVAER/AVBL / 2º lugar. Troféu de Prata- © Copyright 2003

http://www.ebooks.avbl.com.br/biblioteca1/avbl.htm - Ensaio Poético – 2003 - Natureza – Vida

http://www.ebooks.avbl.com.br/biblioteca1/lv1/pequenashistorias/28 - ©Copyright 2004

http://www.ebooks.avbl..com.br/biblioteca1/avbl.htm - Ensaio Poético - A Vida como Ela é – 2008

• Gigantes 2006 – Apaixonados pelo Brasil – 2006. Projeto” Letras Catarinenses”

Participação no livro de Christina Baumgarten/Sua Majestade, o Itajaí-Açu - Memória, lembranças e heranças de um rio - 2008 - http://www.hbeditora.com.br/livros/resgate/sua-majestade-itajai-acu.html

http://www.clicrbs.com.br/jsc/sc/impressa/4,183,2541294,12496

http://www.clicrbs.com.br/jsc/sc/impressa/4,186,1807559

http://www.jornaldaeducacao.inf.br/index.php?option=com_content&task=view&id=497#

http://www.jornaldaeducacao.inf.br/index.php?option=com_content&task=view&id=667#
http://blog.educacaoecidadania.com.br/category/opiniao/

http://blog.educacaoecidadania.com.br/sobre/
Edição Abril/2009

Edição Agosto/2008

Edição Julho/2008

http://www.jornaldaeducacao.inf.br/index.php?option=com_content&task=view&id=497#

Dicas de sites sobre atividades em biblioteca:

http://www.acbsc.org.br/revista/index.php/racb/article/viewFile/437/562

N° 11641 - 27/03/2008 - 06h58min Jornal de Santa Catarina

Por uma educação com significados
http://www.clicrbs.com.br/jsc/sc/impressa/4,186,1807559

--------------------------------------------------------------------------------

VERSO (Maria de Fatima Martins Baumgärtner)

Ambiência

No labirinto da vida
Caminhos desconexos
No cotidiano
Azul do mar
Um barco
Parte cheio de sonhos
Para entender seu destino
Basta olhar um menino
Soprando areia entre os dedos
Ignorando medos
Amparando sonhos
Na ambiência do mundo
Os desejos secretos
Descortinam-se em verso
Acolha este menino
Mesmo por um segundo
Construa um castelo
Enquanto ele brinca na areia
Deste doce universo

COTIDIANO

É preciso reencantar o cotidiano
É urgente humanizar o coração
Temos nas mãos sementes do hoje
Que serão flores do amanhã
Depende de nós tornar isso possível
Sejamos semeadores
Não apenas de palavras
Mas de amores
Permitindo o sonho
Acreditando na sucessão dos dias
Onde houver inquietação
Sejamos transformação
A vida consiste em
Reinventá-la a cada dia
Este é o milagre
Da multiplicação do saber
E do vir a ser
...............................................

POEMA NA SALA DA PRESIDÊNCIA

No dia 10 de setembro de 2008, aconteceu uma homenagem ao escritor Graciliano Ramos. O evento foi em comemoração aos 70 anos de “Vidas Secas”.


Eu, Fátima, participei como convidada e meu poema "RIO DE LETRAS" foi lido e exposto no salão da presidência por todo o mês de setembro.





Eu recebi o pôster com o poema (f0t0 ao lado) que estava exposto naquele dia, além do certificado de participação.




Para a comunidade, estará disponível para empréstimo, toda a obra de Graciliano Ramos, doada pela família do escritor e autografada pela neta Tânia Ramos Krepsky. A exposição, abriu dia 29 de setembro de 2008 (dia do aniversário do filho de Graciliano, Múcio - in memorian - pai de Tânia.


Graciliano Ramos teve e tem grande importância para a literatura brasileira. .














Atuando na bibblioteca da E.B.M Gustavo Richard, recebi em nome da direção da escola, algumas obras da família do escritor, livros da Editora Cultura em Movimento, com títulos do acervo da Biblioteca Municipal Fritz Müller e também de doações de escritores e de entidades como a Academia de Letras Blumenauense e a Sociedade Escritores de Blumenau. Os mesmos foram entregues por Sandra bibliotecária da Biblioteca MunicipalFritz Müller.




















































Fiquei grata pelo reconhecimento, sendo escritora blumenauense e recebendo homenagem em companhia de personalidades tão importantes, como a neta de Graciliano Ramos, demais autoridades, escritores, artistas e alunos de várias escolas de Blumenau que ali se encontravam.

Hino de Blumenau


Composição: Márcio Volkmann / Edson Luis da Silva

Blumenau, tens o nome do primeiro
Que chegou e desbravou tuas riquezas
Que tanto trilhou os teus caminhos
E sempre preservou tuas belezas.

O progresso mora aqui
Blumenau, és razão de viver
O teu nome tem história.
Blumenau, nunca vou te esquecer
O teu nome tem história
Blumenau, nunca vou te esquecer.

Cidade de nobre arquitetura
Desenhada pelo leito do teu rio
O verde que cobre esta pintura
Faz de ti patrimônio do Brasil.

O progresso mora aqui
Blumenau, és razão de viver
O teu nome tem história.
Blumenau, nunca vou te esquecer
O teu nome tem história

Blumenau, nunca vou te esquecer.
O orgulho faz do peito moradia
Dos que amam esta Terra abençoada.
Cidade jardim da alegria,
No teu povo a beleza está plantada.

O progresso mora aqui
Blumenau, és razão de viver
O teu nome tem história.
Blumenau, nunca vou te esquecer
O teu nome tem história
Blumenau, nunca vou te esquecer.

POSTAGENS

Digite o assunto da sua pesquisa

Siga nosso blog!

Alguns dos blogs que sigo

CLIC RBS

clicRBS

Últimas notícias

Carregando...

Postagens mais acessadas

Você é muito especial!

Ocorreu um erro neste gadget

Mapa do local

ALFABETO DO TANGRAM