27 de setembro de 2010

PRESERVAR PARA USUFRUIR

Copos de papel são alternativa sustentável para copos descartáveis
fONTE:
http://atitudesustentavel.uol.com.br/blog/2010/09/23/copos-de-papel-sao-alternativa-sustentavel-para-copos-descartaveis/

Ecopos são feitos com fibras certificadas e diminuem a poluição e desperdício de água Por Gisele Eberspächer às 15h55 de 23/09/2010Os copos ecológicos, feitos com um papel e um pequeno revestimento plástico, já existem em países asiáticos há pelo menos 10 anos. Agora, a tecnologia foi importada e o produto é feito no Brasil pela empresa Ecopos.


A caixa de 250 ecopos é ideal para empresas e lugares públicos. (Foto: Divulgação)
Os copos são uma espécie de envelope com nove centímetros de altura por seis de comprimento. A capacidade de cada um é de 65 mililitros. Além de diminuírem consideravelmente a quantidade de lixo produzida e de ocuparem menos espaço para armazenamento e transporte, os ecopos podem ser utilizados mais de uma vez.

Os produtos são feitos com papel de fibras virgens (para evitar qualquer tipo de contaminação do material) reflorestadas e sem corantes.

O gerente Stephano Shin comenta que como a embalagem é pequena, os ecopos podem também ajudar a evitar o desperdício de água.

..................................
“Muita gente enche copos e acaba não consumindo tudo. Com copos menores, isso acontece menos. E quem quiser, pode sempre repertir”, comenta Stephano.

Além disso, o gerente comenta que muitos clientes perguntam se é possível usar os copos para bebidas quentes. Como o copo é feito de papel e é fino, o líquido poderia queimar a mão de quem segurasse. Além disso, a empresa ainda não conseguiu aumentar a capacidade dos copos – se for maior, acaba não ficando firme o suficiente e pode desmontar.

Localizada em São Paulo, a empresa produz os ecopos convencionais e também pode imprimir a logo de empresas.

dica de site
http://www.porumplanetamaislimpo.com.br/pt-br/
....................................

Minha casa sustentável

Construir uma residência sustentável exige muitas atenções, mas o investimento e as mudanças de hábitos valem a pena Por Gustavo Ribeiro às 23h50 de 14/07/2010É difícil encontrar alguém que nunca tenha ouvido a música Casa, de Vinícius de Moraes. Aqueles versos singelos com uma musicalidade infantil não fogem do nosso imaginário. Mas vale a lembrança daquela casa do poeta, que era muito engraçada, não tinha teto, não tinha chão, não tinha parede e nem sequer penico, não tinha nada. Muito mais que uma casa sem nada, ela esconde um fascínio de um verdadeiro lar que precisa e implora para ser construído e habitado. E se for permitida um pouco mais de licença poética, essa casa é extremamente sustentável, já que tem um impacto nulo na natureza. Uma casa feita com muito esmero pode ser a do pensamento de Vinícius de Moraes, mas também pode ser a sua, e ainda por cima, sustentável.

Quando o administrador de empresas Rubem Höher Junior decidiu construir sua casa e sair de um apartamento, ele e os arquitetos se debruçaram por mais de um ano em um projeto que fosse viável e que tratasse com cuidado os recursos naturais que seriam utilizados. Na pauta, foram acrescentados os possíveis pontos de trabalho, como energia solar, reutilização de água, revestimentos, pisos, acabamentos que garantissem facilidade de limpeza, e até mesmo o material dos móveis.


Casa de Rubem Höher Junior (Foto: Realiza Arquitetura)
Já construída, a casa de Rubem é um bom exemplo para mostrar as diversas áreas em que podem ser aplicadas técnicas e pensamentos sustentáveis. Um fator que o administrador salienta é a baixa utilização de lâmpadas, principalmente durante o dia. “O papel dos arquitetos foi muito importante na questão da iluminação natural. Praticamente mesmo nos dias nublados e escuros, passamos o dia todo sem a necessidade de acender as luzes”, conta. Mas não para por aí. Ainda na questão de energia, ela é garantida através de placas solares e gás. Os vasos sanitários têm válvulas com diferentes ajustes para volume de água, dependendo da necessidade da descarga.

Outro fator que se destaca é a escolha dos materiais de revestimento e de móveis. “Com materiais bem escolhidos existe uma facilidade de limpeza. Não precisamos, por exemplo, usar aspirador de pó, que utilizaria muita energia. Além disso, alguns revestimentos não precisam de muita água para serem limpos”, explica Rubem, que atenta para o fato de que 80% dos móveis de sua casa são de madeira de demolição ou com certificação. E no jardim, o revestimento permite a permeabilização da água. Assim, mesmo que chova, a água consegue penetrar no solo e ter um impacto ambiental menor. “Por menos que seja isso, é importante”, ressalta.


Projeto aproveitou ao máximo a iluminação natural (Foto: Realiza Arquitetura)
O que Rubem ainda não tem em sua casa, mas que foi discutido no projeto, é o reuso de água da chuva. “Sentimos que havia uma certa distância entre o mundo teórico correto e sustentável e a prática”, conta. Por outro lado, o empresário Henrique Ten não hesitou e conseguiu realizar em sua casa um sistema de captação de água de chuva, mas não foi fácil. “Foi feita uma calha de concreto armado para captar toda a água do telhado. Foi uma obra difícil e que exigiu bastante pesquisa”, lembra. Mas além da consciência ambiental que motivou Henrique a ter esse sistema, o bolso também agradeceu. “Com esse sistema, o consumo de água em casa diminuiu em média 30%”, calcula. Só que Henrique não se limitou à questão de água e se preocupou também com a energia. Por isso decidiu instalar um sistema de placas solares para ter energia limpa em sua casa.

Marcia Mikai, arquiteta e sócia da Pentagrama Projetos em Sustentabilidade, morava em uma casa alugada que tinha sérios problemas de conforto no inverno, sem contar algumas áreas que não tinham isolamento térmico adequado. Quando ela se deparou com uma residência de 40 anos que nunca havia sido reformada, não pensou duas vezes e optou por construir uma que tivesse preocupações com o meio ambiente. “É importante, para mim, morar em um espaço que contém os procedimentos que aplico profissionalmente. Principalmente em sustentabilidade, acho incoerente praticar ‘faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço’”. O projeto da casa foi desenvolvido para adaptação da arquitetura para as necessidades da família e com ênfase em conforto ambiental e eficiência energética.


Marcia Mikai usou madeira de demolição para a porta e lembranças de viagens para o revestimento do lavabo (Foto: Gui Morelli)
O cuidado de Marcia começou logo na demolição da casa antiga, já que a ideia era utilizar grande parte dos resíduos na nova construção. “Os resíduos metálicos e plásticos foram destinados para reciclagem, os azulejos transformaram-se em matéria prima para mosaicos para o banheiro das crianças, lavanderia e banho de empregada. Parte do entulho foi utilizada para a construção do muro da fachada, pedras foram reaproveitadas para a fonte e tacos de madeira foram retirados para impermeabilização e reaproveitados em novas áreas”, explica.

Na fase de construção, foi levado em conta um sistema para aproveitamento de água de chuva, aquecimento de água por energia solar, válvulas de descarga de duplo acionamento, metais sanitários de vazão reduzida, luminárias com lâmpadas compactas, fluorescentes e leds, novos eletrodomésticos com selo Procel e telhado com telhas de cor clara para minimizar o efeito ilha de calor. Tudo bem pensado pela arquiteta, que também levou para o paisagismo e interior da casa as práticas sustentáveis.

“A maior parte do mobiliário veio de herança de família, o que é novo foi encomendado com madeiras e subprodutos com selo FSC, a porta de entrada foi executada com madeira de demolição e a parede do lavabo foi revestida com papéis de lembrança de viagens”, lista Marcia. No lado de fora, as plantas existentes na edificação anterior foram preservadas durante a obra e transplantadas, além de árvores frutíferas e ervas medicinais que foram incorporadas ao novo paisagismo. Por fim, os pisos externos foram demolidos para criar áreas mais permeáveis.

Por onde começar
Para ter a casa pronta, o processo é bastante longo e mais complexo que podemos imaginar. Não basta simplesmente ter a ideia e fazer as coisas por conta própria. É preciso ter o acompanhamento de profissionais especializados desde o início. “O tema sustentabilidade na construção é bastante multidisciplinar e envolve vários profissionais para darem conta do projeto. Nunca é feito por uma só cabeça. Então, quem quer ter uma casa sustentável, deve levar em consideração contratar uma orientação nessa linha e buscar profissionais que já conheçam o assunto”, alerta Juliana Boer, arquiteta da Cria Arquitetura.

A arquiteta Daniela Corcuera, da Casa Consciente, explica que o projeto de uma construção sustentável deve considerar a “eficiência do projeto de edificações, otimização de espaços, redução de fluxos, acessibilidade, modulações, planejamento de retrofit, projeto de desmonte, detalhamentos e padronizações, e conforto ambiental, privilegiando as energias passivas – iluminação e ventilação natural, por exemplo”. Entretanto, Daniela atenta para o fato de que uma casa sustentável começa com a escolha do terreno, que leva em conta diversos fatores, como inserção urbana e regional, preservação de áreas intocadas, impactos sobre a vizinhança e o meio ambiente, além de ter uma boa insolação e ventilação natural.

É inevitável a comparação entre projetos de uma residência tradicional e de uma que seja sustentável. E de fato algumas mudanças são previstas e fundamentais. É o que explica Juliana. “O projeto sustentável muda um pouco a forma de trabalhar. No jeito convencional, o arquiteto faz o projeto, os engenheiros fazem projetos complementares e seguem o que o arquiteto determinou. É um caminho bem fragmentado. Quando falamos de um projeto sustentável, todos os profissionais devem se envolver desde o começo. Não é primeiro contratar um arquiteto e depois um engenheiro. Em tese vai contratar uma equipe. A forma de projetar muda, com o máximo de informações técnicas desde o início”.

Prédios criam comissões de sustentabilidade e reduzem taxas de condomínio Na fase posterior ao projeto, é necessário buscar materiais que sejam compatíveis com o propósito de uma construção sustentável. Daniela chama atenção para esse fato e propõe que os interessados façam algumas perguntas aos fornecedores: “qual a origem da matéria prima, se emite compostos orgânicos voláteis na produção e na utilização, quanta energia consome na produção e transporte, qual a durabilidade, se é fabricado sob condições de trabalho justas, que tipo de resíduo e quantidade que gera, além da destinação que recebem”. Por mais que sejam muitas as perguntas, não podem ser ignoradas. E apesar de muitos detalhes, os fornecedores brasileiros já estão mais preparados para essa demanda. “O mercado brasileiro já melhorou muito. Hoje é absurdamente mais fácil encontrar fornecedores com produtos bons, além de mais especificações de materiais e tecnologias”, complementa Juliana.

Com tantos detalhes e profissionais envolvidos, uma pergunta vem quase automaticamente: quanto a mais vou ter que pagar para ter uma casa sustentável? “Qualquer custo que agregue uma nova tecnologia tem impacto grande em uma casa menor. Quando falamos em casas de alto padrão, o custo é diluído, pois já é alguém que pagaria mais caro por materiais diferentes”, explica Juliana. A estimativa, segundo informações da arquiteta Daniela, é que uma edificação sustentável tem um custo adicional entre 5 e 10% quando comparada a uma construção convencional. “Contudo, vale lembrar que algumas soluções não representam custos adicionais se bem trabalhadas na fase de projetos”, esclarece. Já Márcia acrescenta que “o acréscimo de valores em projeto e na inserção de tecnologias incomuns em soluções padrões de mercado apresentam retornos financeiros muito atrativos”.

Mas e se eu não pretendo construir e quero fazer algumas mudanças, é possível? “Sim. Existem recursos bastante acessíveis para incorporar na própria casa, como vasos sanitários que utilizam menos água para descarga, uso de lâmpadas econômicas fluorescentes ou de led, e eletrodomésticos que gastam menos energia”, responde o arquiteto André Einsenlohr. Mas existem outras opções, como diz Daniela: “projetos que não foram inicialmente concebidos com o conceito de sustentabilidade podem lançar mão de algumas soluções posteriores. Algumas medidas simples incluem aquecedor solar de água, paisagismo local ou adaptado para reduzir o consumo de água potável, sombreamento da fachada oeste e locais para armazenagem de resíduos para reciclagem”.

O mais importante são os hábitos
tável se os moradores não têm hábitos sustentáveis. Uma residência que tem menor impacto na natureza depende exclusivamente de quem a reside e a mantém. “É importante rever os hábitos do dia-a-dia, como diminuir o tempo em que as torneiras ficam abertas, reduzir o tempo do banho, desligar e tirar da tomada aparelhos eletrônicos que não estão sendo utilizados e sempre fazer manutenção em equipamentos, como torneiras e chuveiros com vazamento”, exemplifica André.

É o que Henrique tenta passar para os filhos, não apenas na questão econômica, mas principalmente no fator de consciência. “Em casa tentamos passar para os nossos filhos, de 13 e 15 anos, que a água é uma fonte natural não permanente e pode se esgotar. Eles fazem com mais consciência, como não demorar no banho, lavar a louça sem deixar a torneira aberta, e assim por diante. Procuro passar a consciência ecológica e não a parte de economia”, conta.
Rubem, com o auxílio de sua esposa Claudine Zart e dois filhos, de quatro e oito anos, também acabaram mudando de hábitos. “Antes morávamos em um apartamento e isso exigia que ficássemos mais tempo com as luzes acesas. Isso é um hábito que mudou, e durante o dia raramente usamos luzes, em função da iluminação natural. Aprendemos a manusear os recursos hídricos da casa. São hábitos que vamos aprendendo quando vemos a casa como um organismo vivo. É preciso aprender com a casa. São muitas coisas que podemos fazer. Podem ser pequenas, mas o resultado é grande”, resume.



Esquema de uma casa sustentável
Impacto da construção civil
- Cerca de 45% do consumo de energia e uma proporção parecida de emissão de carbono mundialmente têm origem em edifícios mal-planejados ou mal-isolados termicamente (Green Building Council Brasil).
- No Brasil, o consumo de energia elétrica em edificações responde por cerca de 42% do consumo total de energia elétrica (Ministério de Minas e Energia).
- O setor urbano é responsável por 26% do consumo de toda água bruta do país e a construção civil responsável por 16% de toda a água potável (Agência Nacional de Águas).
- A construção civil consome entre a 15% a 50% de toda matéria prima extraída da natureza e até 66% da madeira.
- As edificações somam 40% do consumo mundial de energia (Conselho Mundial de Empresas pelo Desenvolvimento Sustentável).
- Os resíduos da construção civil correspondem a 50% do total de resíduos sólidos urbanos coletados.
Fonte: http://atitudesustentavel.uol.com.br/blog/2010/07/14/minha-casa-sustentavel/

Os homens perdem a saúde para juntar dinheiro, depois perdem o dinheiro para recuperar a saúde.
E por pensarem ansiosamente no futuro esquecem do presente de forma que acabam por não viver nem no presente nem no futuro. E vivem como se nunca fossem morrer.. e morrem como se nunca tivessem vivido.
Dalai Lama

REDUZINDO O EFEITO ESTUFA

20 dicas para reduzir a emissão de gases do efeito estufa

Atitudes são importantes e simples, podendo fazer parte do cotidiano Por Gisele Eberspächer às 17h20 de 30/08/2010Os gases do efeito estufa são aqueles que ficam acumulados na atmosfera terrestre e dificultam a passagem dos gases infra-vermelhos, deixando o planeta mais quente. Esse fenômeno é natural, mas devido à crescente quantidade deles na atmosfera, o aumento de temperatura já chega a prejudicar o equilíbrio entre os sistemas. Por isso, reduzir a emissão de dióxido de carbono (CO2), do metano (CH4) e do óxido nitroso (N2O), entre outros, deve fazer parte do nosso dia-a-dia.

Transporte

1. Quando possível, ir para os lugares a pé ou de bicicleta.
2. Incentnivar a cidade e as empresas a adotar uma politica de proteção aos ciclistas, como construir ciclovias e estacionamentos de bicicleta.
3. Evitar andar sozinho no carro. Alternativas dar ou pegar carona ou usar transporte coletivo.
4. Fazer revisão frequente dos carros e calibrar os pneus.

Consumo

5. Produtos locais poluem menos, já que precisam de menos transporte.
6. Usar produtos reciclados ou recicláveis.
7. Comprar apenas o que for necessário, utilizar ao máximo todos os produtos e vender, doar e reutilizar aqueles que seriam descartados.
8. Comprar produtos e eletrodomésticos com eficiência de energia.
9. Usar Ecobags para carregar as compras e evitar o uso de sacolinhas plásticas.


Leia também:23/09/10
Copos de papel são alternativa sustentável para copos descartáveis 15/09/10
10 dicas para fazer uma limpeza mais sustentável em casa 27/08/10
Ecotelhados, ecoparedes e ecopavimentos permitem escoamento da água Casa

10. Manter a panela centralizada na boca do fogão faz com que aqueça mais rápido.
11. Fogões a gás emitem 50% menos de gases do efeito estufa que fogões elétricos.
12. Chuveiros elétricos chegam a emitir até quatro vezes mais gases do que os aquecidos à gás.
13. Evitar usar a secadora e usar o varal chega a emitir menos 3 kg de gases por lavagem.
14. Lavar a roupa com água fria, e não quente, pode reduzir a emissão de gases do efeito estufa em até 15 vezes.
15. Quando for construir ou reformar a casa, opte pela instalação de sistemas de armazenamento da água da chuva e utilização de energia solar.

Resíduos

16. Encaminhe os resíduos para reciclagem.
17. Separe corretamente os tipos de materiais e descartar de maneira adequada.
18. Faça compostagem com materiais orgânicos.

Energia

19. Sempre que possível, trocar o ar condicionado pelo ventilador.
20. Apagar as luzes sempre que não forem utilizadas e tirar da tomada os aparelhos que permanecem em stand-by.

Tags: aquecimento global,atmosfera,dicas,efeito estufa,emissão de gases,poluição,redução,

RECICLANDO ÓLEO DE COZINHA


O que fazer com o óleo usado?
E.B.M. PASTOR FAULHABER
BIBLIOTECA PRINCESA ISBEL

ATRAVÉS DE LEITURAS, PESQUISA, DEBATES, VÍDEOS E DEMOSNTRAÇÕES PRÁTICAS, AS PROFESSORAS FÁTIMA E NILCIMARA ORIENTAM ALUNOS EM SALA DE AULA E NA BIBLIOTECA SOBRE COMO USAR PETS PARA ARMAZENAR O ÓLEO DE COZINHA ADEQUADAMENTE E ENCANINHAR PARA A COLETA SELETIVA OU FAZER SABÃO EM BARRA.

CONSCIENTIZAÇÃO

Nos restaurantes ou outro local, em casa por exemplo, é comum fritar alimenos como batatas fritas, pastéis e tudo mais. Mas ao óleo usado, geralmente, ninguém trata de dar o destino correto. Para conscientizar as famílias, ensinamos aos alunos, como reciclar, armazenando nas pets e depois encaminhando para a coleta seletiva. Toda 2ª feira, o caminhão da coleta passa e recolhe o lixo recicável/óleo no bairro Ribeirão Fresco, que é onde fica a escola Pastor Faulhaber. Orientamos para que apenas adultos tratem de fazer sabão em barra em suas casas. Mas também pode ser feito na scola sob cuidados dos mesmos. O cuidado que se tem com com o óleo, nos ensina a cuidar do meio ambiente,´diminuindo assim o aquecimento global, pois o gás que é expelido na atmosfera pelo óleo cozinha usado e que é depositado em aterros é poluente. Também é preciso ter cuidado com a soda, ela é tóxica, O uso de luvas é indispensável, para evitar queimaduras na pele e máscars para cuidado com as vias respiratórias.


Aqui uma receita:

1. Peneire o óleo para retirar os resíduos e impurezas;
2. Aqueça o óleo sem deixar ferver;
3. Use luvas e adicione soda cáustica (350ml para cada litro de óleo);
4. Para dar perfume ao sabão, adicione 1ml de aromatizante ou amaciante.
5. Mexa lentamente durante 20minutos;
6. Deixe descansar por um dia se for cortar em barras;
7. Após uma semana o sabão está pronto para ser usado.
Fonte: Ambiente em foco
........................


NOTÍCIA RELEVANTE
Quarta, 08 setembro 2010 . Diário do Nordeste
Cerca de 52 milhões de litros de óleo de cozinha de Fortaleza e Região Metropolitana vão parar no esgoto todos os anos. Foi o que constatou pesquisa realizada pelo Grupo de Estudo e Pesquisa em Infraestrutura de Transporte e Logística de Energia (Glen), da Universidade Federal do Ceará (UFC), em parceria com a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece). Esse montante corresponde a 93% do total de resíduos de óleo gerado na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF).
Para minimizar esse impacto, técnicos da Cagece e pesquisadores da UFC estão estudando o aproveitamento do resíduo como matéria prima para biocombustível em escala. A principal candidata é a Usina de Biodiesel de Quixadá, no Sertão Central, a 167 km de Fortaleza.
O óleo jogado hoje no esgoto pode suprir e complementar em mais de 50% a necessidade de insumos da usina, que opera principalmente com óleos obtidos da agricultura familiar. A unidade pode processar até 108 milhões litros de biodiesel por ano, mas falta matéria prima.

De acordo com o estudo, é possível obter até 4,7 milhões de litros de óleo por mês na Região Metropolitana de Fortaleza, 65% destes só em Fortaleza. Se vendido, pode movimentar até R$ 9 milhões por ano.

Os resultados da análise indicam que mais de 46% do óleo é gerado em residências em Fortaleza são jogados no esgoto, contra 18% da área comercial. A maior concentração da geração de óleo por mês em cozinhas industriais provém do Centro, Meireles e Aldeota, gerando, respectivamente, 44.162, 42.975 e 14.483 litros. No setor residencial, destaca-se a alta produção por mês na Granja Lisboa, com 117.624 litros, e Aldeota, 35.047 litros. Os bairros com maior incidência de direcionamento de óleo para o esgoto são Mondubim, Vila Velha, Barra do Ceará e Jangurussu, destinando, respectivamente, 88.730, 38.956, 34.971 e 30.051 litros.

As residências produzem mais óleo que o comércio, necessitando de trabalho de educação ambiental e de políticas de incentivo ao bom direcionamento do resíduo. Para os técnicos da Cagece, uma das formas mais viáveis e eficazes de lidar com o problema é criar bônus em contas de água. O período de descarte deve ser quinzenal, por meio de recipientes como garrafas PET.

Para universalizar o procedimento, a Cagece e a UFC estão estudando esquemas de coleta que envolvam associações de catadores em políticas de parceria e responsabilidade social. A Companhia está sugerindo, inclusive, que as câmaras municipais da RMF aprovem leis que incentivem os cidadãos e empresários a comercializar ou doar.

A pesquisa foi realizada entre janeiro e março deste ano, em Fortaleza, Caucaia e Maracanaú, com 600 empresas e 1.200 pessoas, em pontos de vendas ao adquirir o produto. Segundo o supervisor da área de Pesquisa e Desenvolvimento da Cagece, Silvano Porto, além de aderir às paredes da tubulação, o óleo pode agregar outros materiais, causando entupimento na rede. O problema fica mais visível nas caixas de gordura de condomínios, que precisam ser limpas periodicamente.

Bares e restaurantes
Algumas iniciativas já começam a dar destino mais adequado ao resíduo em Fortaleza. O presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes - Seção Ceará (Abrasel-CE), Augusto Mesquita, explica que o Programa Papa Óleo, de coleta de óleos e gorduras residuais (OGR), teve início no segundo semestre do ano passado, contando com a colaboração de 20 empresas de Fortaleza. Hoje já são mais de 60, mas a arrecadação, de cerca de três mil litros mensais, ainda é modesta.

Segundo Mesquita, a empresa Meta Ambiental, responsável pela coleta de resíduos dos estabelecimentos, dá um desconto pelo serviço quando a empresa doa o óleo. O material é armazenado até atingir 18 mil litros, quando segue para Quixadá, no Sertão Central do Ceará, e é entregue à Cooperativa Socioambiental e Reciclagem de Quixadá (Ó-Limpo), que só paga o transporte. A cooperativa, formada por jovens de 18 a 26 anos, vende o óleo à Petrobras Biocombustível.

ALTERNATIVA

Em troca de desconto na energia
Resíduo de óleo de cozinha - junto a outros materiais, como garrafas, papéis, plásticos e latas - também é recebido nos pontos de coleta do Projeto Ecoelce, valendo R$ 0,30 de desconto na conta de energia por litro. Desde o início, o projeto já arrecadou mais de 32 mil litros de óleo, gerando cerca de R$ 7,5 mil reais em bônus na conta de energia.

O óleo deve ser levado até o posto de coleta em uma garrafa PET ou em algum recipiente que não derrame. Caso haja algum resíduo sólido no óleo, deve ser feita uma filtragem para retirá-lo. Com o reaproveitamento, diversas são as possibilidades de reciclagem do óleo de fritura, como: produção de resina para tintas, sabão, detergente, glicerina e biodiesel.

O Ecoelce, que desde janeiro de 2007 beneficia 236 mil clientes cadastrados, já contabilizou em torno de 8.140 toneladas de resíduos e R$ 1 milhão em descontos na conta de energia, o que corresponde a uma economia de aproximadamente 31.000 GWh de energia. Atualmente, 29 postos de coleta do Ecoelce estão em funcionamento, sendo 20 em Fortaleza e Região Metropolitana e nove no Interior do Estado.

É muito fácil aderir à iniciativa de trocar lixo por bônus na conta de energia. O titular da fatura deve solicitar o cartão Ecoelce - que conta com um chip onde ficam registrados os dados do cliente - cadastrando-se nos postos de coleta do programa. Com o cartão em mãos, basta levar o lixo reciclável ao posto de coleta mais próximo e registrar os bônus para sua próxima conta de energia. O cartão corresponde à unidade consumidora para a qual o cliente quer creditar o desconto.

MARISTELA CRISPIM
................................

15 de setembro de 2010

O ALFABETO DO PLANETA TERRA

O ALFABETO DO PLANETA TERRA

AJUDE A PRESERVAR AS FLORESTAS

BUSQUE HARMONIA NO QUE FAZ

CUIDE BEM DO SEU JARDIM

DESCUBRA FORMAS DE ECONOMIZAR ENERGIA

ENCONTRE TEMPO PARA COLHER FRUTA NO PÉ

FAÇA À NATUREZA O QUE QUER PARA VOCÊ

GASTE MENOS ÁGUA

HARMONIZE O MEIO EM QUE VIVE

INICIE UMA CAMPANHA PELA PAZ

JOGUE FORA O CONSUMISMO

LIBERE SEU SENSO DE PRESERVAÇÃO

MEREÇA SER FILHO DESTE PLANETA

NUNCA DEIXE DE AGRADECER O AR PURO

OLHE O PÔR-DO-SOL A CADA DIA

PLANTE UMA ÁRVORE

QUEIRA SEMPRE O BEM DAS PESSOAS

RECICLE SEU LIXO

SEMEIE O QUE PRETENDE COLHER

TENHA SEMPRE AMOR AOS ANIMAIS

UTILIZE O TEMPO COM SABEDORIA

VALORIZE SUA FAMÍLIA

XINGUE SE ALGUÉM POLUIR OS RIOS

ZELE PELA VIDA

Mª de Fátima. M Baumgärtner
........................................

RECICLAGEM

FONTE: http://www.recicloteca.org.br/reciclagem.asp
Assista o Filme Ilha da Flores - 1989 - Documentário de Jorge Furtado sobre o consumo da sociedade.

Confira no site www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=647

Razão Social:RECIBLU - Associação dos Trabalhadores Coletores dE lIXO

Endereço:Rua Amazonas, 688

Bairro:Garcia

Cidade:Blumenau
Estado:Santa Catarina

Telefone:(47) 3322-5823
Contato:Valdelir Cesconetto
Email:

Materiais Coletados:
PET, plásticos diversos, papel, papelão, jornal.
...................................
http://www.recicloteca.org.br/Default.asp?Editoria=7&SubEditoria=25
Mais fontes:
Contato: www.ciclonatural.com.br
E-mail: ciclonatural@ciclonatural.com.br

FONTE BIBLIOGRÁFICA:

OLIVEIRA, P. de S. O que é brinquedo. São Paulo: Brasiliense. 1989.

3 de setembro de 2010

MEDIAÇÃO DA LEITURA E PESQUISA

MEDIAÇÃO DA LEITURA E PESQUISA
Enya - Caribbean Blue


2010 ANO DA BIODIVERSIDADE



"Importa construir um novo ethos que permita uma nova convivência, planetária e cósmica; que propicie um novo encantamento face à majestade do universo e à complexidade das relações que sustentam todos e cada um dos seres.
Leonardo Boff
Bibliografia que recomendo:
Boff, Leonardo. Saber cuidar: ética do ser humano-compaixão pela terra. Petrópolis: Vozes, 1999.

CUIDANDO DO MEIO AMBIENTE








Quer ganhar uma sacola ou camiseta personalizada? Então responda:

"O que você faz para tornar o planeta sustentável?"


COORDENAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA


PAUTA- 31/8/2010, das 13h30 às 17h30

• Acolhida- Enya- Caribbean Blue
• Data próximo encontro- 29/9, das 8h às 12h – roda de causos e contos da oralidade
• Avaliação do projeto
• Saúde Vocal- fonoaudióloga Audrey Zimmer Ravazzani
• Troca de experiências:

Profª Eveli Lang, EBM Patrícia Helena;
Profª Maria de Fátima Martins Baumgärtner, EBM Pastor Faulhaber
profª Maristela Marcelino, EBM Lauro Muller
• Roda de leitura: narrativa visual
• Feedback

Caribbean Blue (Tradução)
... Eurus...
... Afer Ventus...

... assim o mundo vai e volta
com tudo que você sempre conheceu .
Dizem que o céu lá no alto
É (da cor) azul do Caribe

... se todo homem disser tudo que puder,
se todo homem for sincero,
Eu acredito que o céu acima
É (da cor) azul do Caribe

... Boreas ...
... Zephryus ...

... se tudo que você disse tivesse se transformado em ouro,
se tudo que você sonhou fosse novo,
imagine o céu bem lá no alto
(da cor do) azul do Caribe

... Eurus...
Afer Ventus...
... Boreas
Zephryus...
... Africus..

Caribbean Blue
...Eurus...
...Afer Ventus...

...so the world goes round and round
with all you ever knew
They say the sky high above
is Caribbean blue...

...if every man says all he can,
if every man is true,
do I believe the sky above
is Caribbean blue...

...Boreas...
...Zephryus...

...if all you told was turned to gold,
if all you dreamed was new,
imagine sky high above
in Caribbean blue...

...Eurus...
Afer Ventus...
...Boreas
Zephryus...
...Africus...
......................................

MALETA LÚDICA DA SEMANA
MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA


No 2º Semestre, a motivação da leitura acontece através de atividades lúdicas. Em cada uma delas, as crianças aprendem e se divertem, ao resgatar as brincadeiras da infância. Os jogos e cantigas do tempo dos avós.Eles estão indo até a escola para contar histórias e relembrar sua infância, seus costumes e valores hoje tão esquecidos.

A criança leva a maleta para casa e dentro dela tem um livro e um caderno de anotações. Junto com a família ela lê e em seguida relata algo sobre a reação após a leitura.
A maleta é trazida de volta para sala e alguém da família até pode vir junto para ler ou contar a história do referido livro.

Esta atividade proporciona o vínculo entre familiares.

A família participa ativamente da vida escolar.

Comece a ler para crianças... Você nunca mais vai parar... é maravilhoso!
Aqui a caixa que vai mudar as brincadeiras de seu filho na hora do recreio, é ludicidade pura!
Ela contém jogos e brincadeiras...


Para contar ou ler histórias, devemos cuidar da voz!

ALGUNS CUIDADOS QUE O PROFISSIONAL DA VOZ DEVE TER


 Hidratação do organismo é fundamental. Beba de 7 a 8 copos de água por dia, em temperatura ambiente.


 Evite ambiente com ar condicionado, que resseca as mucosas


 Tossir ou pigarrear excessivamente provoca um atrito intenso nas pregas vocais, podendo feri-las.


 Deve-se falar o mínimo possível durante quadros gripais ou crises alérgicas, e beber água em abundância.


 Praticar exercícios físicos falando pode gerar sobrecarga pois durante o esforço físico ocorre um aumento no fechamento das pregas vocais.


 O cigarro é altamente irritante às mucosas do trato vocal, além de ressecá-las e dificultar sua vibração.


 O álcool também é irritante às pregas vocais e tem um efeito anestésico que mascara a dor de garganta, propiciando abusos vocais.


 Alimentos com excesso de condimentos trazem azia, má digestão e refluxo de secreções gástricas, que podem banhar as pregas vocais causando irritações nas mesmas.


 A maçã e o salsão são recomendados pois são adstringentes, deixando a saliva mais fininha.


 Evite usar remédios tipo sprays e pastilhas, elas “aliviam” a dor, mas ressecam as pregas vocais e encobrem algum problema que esteja tendo.


 Use roupas que não apertem seu corpo ou pescoço. Quanto mais confortável se sentir, melhor para a sua voz

Audrey Z. Ravazzani (Fonoaudióloga – Crfa 7571)

II Circuito Literário na escola


Mensagem do Sr Nelson Valente
Professor Universitário, jornalista e escritor, após ter lido o poema abaixo que saiu no jornal no dia de ontem "ALMANAQUE DO VALE" NOS 160 ANOS DE BLUMENAU
http://www.clicrbs.com.br/jsc/sc/impressa/4,183,3025982,15419

"Ninguém pode fugir à História.

Clara ou oculta, essa "senhora", está presente em todos os nossos dias. Sempre considerado importante. Não só ela mas também esse cavalheiro, mais misterioso ainda, sem o qual ela não poderia existir: o Tempo."




VERDES VERSOS NO VALE


Não nasci neste vale,
Nasci longe daqui.
E ao conhecer-te,
Uma lição aprendi.
Daqui jamais sairei,
Pois tens tudo o que quero.
E farei tudo por ti.
É preciso um jardim florido.
É preciso o teu rio limpo.
E os que estão por vir,
Querem ver de perto o teu verde.
Mais verde teu jardim,
Azul teu céu, dourado teu sol.
Prateada tua lua,
Mais puras tuas águas.
Gosto do teu sol, da tua água,
Teu vento, teu verde, tua lua.
Acho que foi amor à primeira vista.
Hoje sabes muito bem,
Que se tivesse escolhido
Um lugar para nascer,
Seria aqui.
Quando a noite vem,
Brilham as estrelas do teu céu.
Quando amanhece,
Sinto tanta alegria de viver.
E neste vale que jamais
Será de lágrimas,
Construo e reproduzo o meu ser.

Maria de Fátima M. Baumgärtner

SUSTENTABILIDADE_CONCURSO LITERÁRIO


O ABRAÇO É UM LAÇO QUE PRENDE SEM PRESSIONAR. QUE O LIVROS SEJAM OS BRAÇOS, A LEITURA O ABRAÇO E AS PALAVRAS SEJAM QUAL PÁSSROS LIVRES QUE NOS ENSINAM A VOAR
( Mª de Fátima M. Baumgärtner)



PERCEPÇÃO DE RISCO


O meu compromomisso com o futuro é
Melhorar cada dia como ser humano
Unir forças para preservar a terra
Nnunca desistir de sonhos possíveis
Dar exemplos de cuidado à natureza
O ferecer apoio aos meus companheiros

Querer o melhor para mim e para o outro
Uutilizar recursos naturais sem destruir
Encontrar formas de viver mais saudável

Q
U
E
R
D
E
M
O
S

T
E
R




Em construção




Declaração Universal dos Direitos da Água

Em 22 de março de 1992 a ONU (Organização das Nações Unidas) instituiu o "Dia Mundial da Água", publicando um documento intitulado "Declaração Universal dos Direitos da Água". Eis o texto que vale uma reflexão:

1.- A água faz parte do patrimônio do planeta. Cada continente, cada povo, cada nação, cada região, cada cidade, cada cidadão, é plenamente responsável aos olhos de todos.

2.- A água é a seiva de nosso planeta. Ela é condição essencial de vida de todo vegetal, animal ou ser humano. Sem ela não poderíamos conceber como são a atmosfera, o clima, a vegetação, a cultura ou a agricultura.

3.- Os recursos naturais de transformação da água em água potável são lentos, frágeis e muito limitados. Assim sendo, a água deve ser manipulada com racionalidade, precaução e parcimônia.

4.- O equilíbrio e o futuro de nosso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos. Estes devem permanecer intactos e funcionando normalmente para garantir a continuidade da vida sobre a Terra. Este equilíbrio depende em particular, da preservação dos mares e oceanos, por onde os ciclos começam.

5.- A água não é somente herança de nossos predecessores; ela é, sobretudo, um empréstimo aos nossos sucessores. Sua proteção constitui uma necessidade vital, assim como a obrigação moral do homem para com as gerações presentes e futuras.

6.- A água não é uma doação gratuita da natureza; ela tem um valor econômico: precisa-se saber que ela é, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem escassear em qualquer região do mundo.

7.- A água não deve ser desperdiçada, nem poluída, nem envenenada. De maneira geral, sua utilização deve ser feita com consciência e discernimento para que não se chegue a uma situação de esgotamento ou de deterioração da qualidade das reservas atualmente disponíveis.

8.- A utilização da água implica em respeito à lei. Sua proteção constitui uma obrigação jurídica para todo homem ou grupo social que a utiliza. Esta questão não deve ser ignorada nem pelo homem nem pelo Estado.

9.- A gestão da água impõe um equilíbrio entre os imperativos de sua proteção e as necessidades de ordem econômica, sanitária e social.

10.- O planejamento da gestão da água deve levar em conta a solidariedade e o consenso em razão de sua distribuição desigual sobre a Terra.
Dicionário de Jardinagem


Alporquia, bráctea, colmo, estolho, estiolada... o idioma "jardinês" está muito complicado?
Pois agora vai ficar mais fácil! Neste pequeno dicionário de jardinagem, colocamos os termos mais utilizados, bem explicadinhos!
Clique na letra correspondente ao termo que você deseja saber o que significa. Aproveite e dê uma passada em todas as letras para aprender mais!

MEDIAÇÃO DA LEITURA E PESQUISA

PREFEITURA MUNICIPAL DE BLUMENAU
SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO
DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA
GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL
COORDENAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA


PAUTA- 31/8/2010, das 13h30 às 17h30

• Acolhida- Enya- Caribbean Blue
• Data próximo encontro- 29/9, das 8h às 12h – roda de causos e contos da oralidade
• Avaliação do projeto
• Saúde Vocal- fonoaudióloga Audrey Zimmer Ravazzani
• Troca de experiências:

Profª Eveli Lang, EBM Patrícia Helena;
Profª Maria de Fátima Martins Baumgärtner, EBM Pastor Faulhaber
profª Maristela Marcelino, EBM Lauro Muller
• Roda de leitura: narrativa visual
• Feedback

Enya - Caribbean Blue



Caribbean Blue (Tradução)
... Eurus...
... Afer Ventus...

... assim o mundo vai e volta
com tudo que você sempre conheceu .
Dizem que o céu lá no alto
É (da cor) azul do Caribe

... se todo homem disser tudo que puder,
se todo homem for sincero,
Eu acredito que o céu acima
É (da cor) azul do Caribe

... Boreas ...
... Zephryus ...

... se tudo que você disse tivesse se transformado em ouro,
se tudo que você sonhou fosse novo,
imagine o céu bem lá no alto
(da cor do) azul do Caribe

... Eurus...
Afer Ventus...
... Boreas
Zephryus...
... Africus..

Caribbean Blue
...Eurus...
...Afer Ventus...

...so the world goes round and round
with all you ever knew
They say the sky high above
is Caribbean blue...

...if every man says all he can,
if every man is true,
do I believe the sky above
is Caribbean blue...

...Boreas...
...Zephryus...

...if all you told was turned to gold,
if all you dreamed was new,
imagine sky high above
in Caribbean blue...

...Eurus...
Afer Ventus...
...Boreas
Zephryus...
...Africus...
......................................

MALETA LÚDICA DA SEMANA
MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA


No 2º Semestre, a motivação da leitura acontece através de atividades lúdicas. Em cada uma delas, as crianças aprendem e se divertem, ao resgatar as brincadeiras da infância. Os jogos e cantigas do tempo dos avós.Eles estão indo até a escola para contar histórias e relembrar sua infância, seus costumes e valores hoje tão esquecidos.

A criança leva a maleta para casa e dentro dela tem um livro e um caderno de anotações. Junto com a família ela lê e em seguida relata algo sobre a reação após a leitura.
A maleta é trazida de volta para sala e alguém da família até pode vir junto para ler ou contar a história do referido livro.

Esta atividade proporciona o vínculo entre familiares.

A família participa ativamente da vida escolar.

Comece a ler para crianças... Você nunca mais vai parar... é maravilhoso!
Aqui a caixa que vai mudar as brincadeiras de seu filho na hora do recreio, é ludicidade pura!
Ela contém jogos e brincadeiras...


Para contar ou ler histórias, devemos cuidar da voz!

ALGUNS CUIDADOS QUE O PROFISSIONAL DA VOZ DEVE TER


 Hidratação do organismo é fundamental. Beba de 7 a 8 copos de água por dia, em temperatura ambiente.


 Evite ambiente com ar condicionado, que resseca as mucosas


 Tossir ou pigarrear excessivamente provoca um atrito intenso nas pregas vocais, podendo feri-las.


 Deve-se falar o mínimo possível durante quadros gripais ou crises alérgicas, e beber água em abundância.


 Praticar exercícios físicos falando pode gerar sobrecarga pois durante o esforço físico ocorre um aumento no fechamento das pregas vocais.


 O cigarro é altamente irritante às mucosas do trato vocal, além de ressecá-las e dificultar sua vibração.


 O álcool também é irritante às pregas vocais e tem um efeito anestésico que mascara a dor de garganta, propiciando abusos vocais.


 Alimentos com excesso de condimentos trazem azia, má digestão e refluxo de secreções gástricas, que podem banhar as pregas vocais causando irritações nas mesmas.


 A maçã e o salsão são recomendados pois são adstringentes, deixando a saliva mais fininha.


 Evite usar remédios tipo sprays e pastilhas, elas “aliviam” a dor, mas ressecam as pregas vocais e encobrem algum problema que esteja tendo.


 Use roupas que não apertem seu corpo ou pescoço. Quanto mais confortável se sentir, melhor para a sua voz

Audrey Z. Ravazzani (Fonoaudióloga – Crfa 7571)

1 de setembro de 2010

O prazer de ler

Em geral, chegamos ao prazer da leitura, na infância, ouvindo ler. Para recuperarmos o prazer de ouvir ler, três excelentes audiolivros: da editora Boca, Um Estranho Em Goa, o romance de José Eduardo Agualusa, lido por Fernando Alves e A Alegria de Gostar, "poemas de amor para crianças de todas as idades", do colombiano Jairo Aníbal Niño, com narração de Changuito e Oriana Alves; da editora MHIJ, O Nariz, um conto cómico-satírico de Nikolai Gógol, pela voz de Jorge Silva Melo.
---



Isabel Nogueira
---
Título: Um Estranho Em Goa
Autor: José Eduardo Agualusa
Voz: Fernando Alves
Banda Sonora: Amélia Muge e António J. Martins
Capa: Pedro Serpa sobre desenho de François Delaunay
Ilustrações: José Eduardo Agualusa
Edição: Boca, 2009
ISBN: 9789899526341
PVP: 15.50€

Título: A Alegria de Gostar

Autor: Jairo Aníbal Niño
Tradução: Changuito
Narração: Changuito e Oriana Alves
Banda Sonora: Amélia Muge
Ilustração: Gémeo Luís
Edição: Boca, 2006
ISBN: 9789899526303
PVP: 12.50€


Título: O Nariz


Autor: NiKolai Gógol
Tradução: Nina Guerra e Filipe Guerra
Voz: Jorge Silva Melo
Capa: Filipe Abranches
Edição: MHIJ, 2009
ISBN: 9789898027207
PVP: 16.50€

POSTAGENS

Digite o assunto da sua pesquisa

Siga nosso blog!

Alguns dos blogs que sigo

CLIC RBS

clicRBS

Últimas notícias

Carregando...

Postagens mais acessadas

Você é muito especial!

Ocorreu um erro neste gadget

Mapa do local

ALFABETO DO TANGRAM